Valeu a pena financiar obras no exterior?

Análise de custos e benefícios deveria estar na agenda de gestores públicos

Sérgio Lazzarini*, O Estado de S.Paulo

06 Janeiro 2018 | 17h00

Ainda que o apoio do BNDES às empreiteiras em obras no exterior seja apenas uma fração dos empréstimos do banco, a sua avaliação é instrutiva para mostrar, mais uma vez, os vícios das políticas industriais executadas no Brasil. 

Quando questionados se esse tipo de apoio realmente valia a pena, dados os custos e riscos de emprestar para países de crédito duvidoso, executivos do banco se justificavam de três formas principais, todas essas falhas. 

A primeira insistia que o risco da operação era baixo, em função do seu próprio histórico, e da existência de um fundo garantidor com recursos do Tesouro. Justificativa que acaba de cair por terra, dados os calotes que já ocorreram e que podem ainda acontecer. O fundo garantidor que será acionado para cobrir esse rombo, vale lembrar, é bancado pelos cofres públicos.

A segunda defesa, rebatendo críticas de que os empréstimos envolviam taxas aquém das praticadas no Brasil (ao redor de 4%-5% ao ano), lembrava que as operações eram financiadas por recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), remunerado, em dólar, pela taxa Libor, abaixo dos juros dos contratos. 

Só que isso não implica que se trata de boa política ou que não tem custo. Esse ano, o próprio BNDES poderá devolver recursos ao FAT, atualmente deficitário. Além disso, se os juros dos empréstimos forem comparados ao custo da dívida brasileiro, o resultado, sob qualquer ótica, fica negativo. 

Finalmente, o terceiro argumento destacava os possíveis benefícios dos empréstimos, lembrando que não eram para países, mas sim para empresas brasileiras utilizando máquinas e insumos (em tese) produzidos localmente. 

Mas pouco se fez para demonstrar esses benefícios com maior precisão. Uma empresa que exporta com essa linha de crédito, mais custosa, gera realmente mais renda ao País do que faria com outro tipo de atividade exportadora ou com projetos localmente executados? 

Uma criteriosa análise de custos e benefícios deveria estar na agenda de gestores públicos preocupados com rigor e zelo nas suas escolhas. Infelizmente, essa não tem sido a prática, inclusive nessas operações ao exterior.

*Professor do Insper

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.