Valor da cesta básica acumulado no ano sobe em todas capitais

Pesquisa Nacional da Cesta Básica do Dieese mostrou que o preço da cesta básica aumentou em todas as 16 capitais do País no acumulado de janeiro a abril. Para esta comparação, as maiores altas foram apuradas no Recife (10,33%), Belo Horizonte (10,17%) e Curitiba (10,12%). Os menores aumentos foram verificados em Brasília (1,62%) e Rio de Janeiro (2,92%). Em 12 meses, entre maio do ano passado e abril último, o comportamento foi diferenciado, segundo os técnicos do Dieese. No Nordeste, onde a cesta é composta por 12 itens, cinco localidades apresentaram variação acumulada negativa. Em Salvador a queda foi de 4,14%, seguida por Fortaleza (-2,09%), João Pessoa (-1,85%)m Recife (-1,74%) e Aracaju (-1,54%). Em Natal, o preço da cesta básica ficou praticamente estável nos últimos 12 meses, mostrando um ligeiro reajuste de 0,09%. As cidades que tiveram suas respectivas cestas reajustadas acima de 10% de maio do ano passado a abril deste ano foram Florianópolis (16,69%), Vitória (12,99%), Porto Alegre (11,64%) e Rio de Janeiro (10,82%). Porto Alegre teve a cesta mais cara em abril Os gastos com alimentação aumentaram em abril para os consumidores de 15 das 16 capitais em que o Dieese realiza mensalmente a Pesquisa. O maior valor nominal foi mais uma vez registrado pela cesta de alimentos básicos da cidade de Porto Alegre. Para adquirir um conjunto de 13 itens alimentícios, o consumidor gaúcho teve que desembolsar no mês passado uma quantia de R$ 183,93. Esse valor incorpora um reajuste em abril da ordem de 4,28%. Mas a maior taxa de reajuste da cesta no mês passado foi a de 6,53% apurada em Belo Horizonte. O valor em reais foi elevado para R$ 167,75, mas ficando ainda 8,79% mais barata que o preço pago pelos gaúchos. São Paulo mostrou a segunda cesta mais cara do País, com seu valor fechando o mês em R$ 180,93, ou 2,88% maior que em março. Na outra ponta, a única queda no preço da cesta básica foi verificada em Salvador, onde o preço médio caiu 0,78% para R$ 131,57. Salário mínimo Para o Dieese, o valor do salário mínimo no mês passado deveria ter sido de R$ 1.538,64. O valor foi calculado com base no preço da cesta básica em Porto Alegre, de R$ 183,15, a mais cara do País no mês passado. O mínimo estimado pelo Dieese é 5,91 vezes o mínimo de R$ 260,00 vigente até o final de abril e 5,1 vezes acima do novo mínimo de R$ 300,00 que entrou em vigor ontem. Para o Dieese, o salário mínimo teria que ser suficiente para suprir todas as necessidades de uma família com quatro pessoas - duas adultas e duas crianças - com alimentação, moradia educação, saúde, lazer e previdência social, entre outras.

Agencia Estado,

02 Maio 2005 | 17h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.