Globo/Divulgação e Globoplay
Globo/Divulgação e Globoplay

Inflação deixa valor do prêmio do BBB 22 'menor' que o da 1ª edição

Atualizado pela IPCA, quantia paga em 2002 a Kleber Bambam supera o recebido por Arthur Aguiar pela vitória na edição deste ano

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2022 | 12h09
Atualizado 27 de abril de 2022 | 13h33

Será que o primeiro prêmio do Big Brother Brasil, lá em 2002, vencido por Kleber Bambam, está muito distante do valor conquistado por Arthur Aguiar nesta quarta-feira, 27? 

O ponto primordial por aqui é trazer a quantia do começo do milênio para os dias atuais. 

Nominalmente, ou seja, olhando apenas para os números, a diferença pode parecer grande: em 2002, a premiação foi de R$ 500 mil, enquanto que, em 2022, o BBB pagou R$ 1,5 milhão

Mas é sempre preciso muita atenção com valores ao longo de um determinado período. Ainda mais quando a diferença é de 20 anos. Com auxílio da Calculadora do Cidadão, do Banco Central, e de fontes do mercado financeiro, atualizamos os R$ 500 mil recebidos por Bambam em 2002, utilizando como referência o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é a inflação oficial do Brasil. 

Com isso, usando os meses de abril de 2002, quando o valor original foi entregue, e março de de 2022, mês com inflação mais atualizada no sistema, chegamos ao valor de R$ 1,7 milhão em dinheiro (R$ 1.716.675,95). O que significa que, em valores reais, a premiação de 2002 foi maior que a deste ano em cerca de 14,5% - em R$ 216.675,95, para ser exato. O prêmio atual perde para a inflação acumulada desde 2002. 

Os valores ficam ainda mais distantes quando comparamos o prêmio desta edição com o de 2010, primeira vez que a quantia chegou a R$ 1,5 milhão, nominalmente. Na comparação realizada por meio do sistema do Banco Central, para Arthur Aguiar embolsar o que Marcelo Dourado, ganhador do BBB 10, conquistou, em março daquele ano, seria necessário que a premiação ultrapassasse R$ 3 milhões - R$ 3.092.079,60 -, dobrando de valor. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.