Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Valores foram muito excessivos, diz ministro sobre 'pedaladas fiscais'

Nelson Barbosa participa de audiência pública na Câmara para explicar as 'pedaladas fiscais'; ele nega que atrasos de pagamentos à Caixa configurem crime de responsabilidade fiscal

João Villaverde e Anne Warth, O Estado de S. Paulo

06 de maio de 2015 | 12h35

BRASÍLIA - O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, afirmou nesta quarta-feira, 6, que o governo federal começou a reduzir os "desequilíbrios" nos repasses de recursos do Tesouro Nacional a instituições financeiras, notadamente a Caixa, a partir do segundo semestre de 2014 e que hoje esses desequilíbrios "se encontram em níveis mínimos". Convocado a explicar essa prática de atrasos, chamada de "pedalada fiscal", Barbosa indicou que uma parte dos atrasos ainda continua. "Foram valores muito excessivos, o que não era usual e recomendado. Mas o governo atuou para reduzir esses desequilíbrios a partir do segundo semestre de 2014 e hoje eles estão em níveis mínimos", disse ele. 

Barbosa é uma das 17 autoridades do governo convocadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) a explicar as "pedaladas". O TCU comprovou os atrasos generalizados do Tesouro a bancos e autarquias, entre 2013 e 2014, e o Ministério Público (MP) junto ao TCU entende que a prática é um crime de responsabilidade fiscal. A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) proíbe que uma instituição financeira pública, como a Caixa, financie o Tesouro Nacional. Os atrasos do Tesouro fizeram com que a Caixa usasse capital próprio para continua pagando o Bolsa Família e benefícios como o Seguro Desemprego e o abono salarial. Essa operação, no entendimento do MP e do TCU, configurou uma operação de crédito.

Barbosa, no entanto, negou esse entendimento. "Para o governo não é uma operação de crédito. Isso tudo está amparado nos pareceres da AGU e das procuradorias da Fazenda Nacional (PGFN) e do Banco Central. São contratos de prestação de serviço que preveem um desequilíbrio pontual. Foi isso que aconteceu e não uma operação de crédito", disse o ministro do Planejamento, que ocupou a secretaria-executiva do Ministério da Fazenda entre janeiro de 2011 e julho de 2013. Segundo o relatório técnico do TCU, as pedaladas fiscais começaram em 2013 e se disseminaram no primeiro semestre de 2014. 

Barbosa também afirmou que os atrasos nos pagamentos do Tesouro a bancos públicos, como o Banco do Brasil e o BNDES, para equalização de taxas de juros oferecidas no financiamento agrícola (pelo BB) e no Programa de Sustentação do Investimento (PSI, operacionalizado pelo BNDES), também não configuram operação de crédito. "As portarias do Ministério da Fazenda e as resoluções do Conselho Monetário Nacional estabelecem os montantes a serem equalizados e o prazo para esses pagamentos. Não são atrasos e não constituem operações de crédito", defendeu Barbosa.

O governo Dilma Rousseff teme uma inédita condenação por crime de responsabilidade fiscal. O caso também está sob investigação do Ministério Público Federal (MPF), que na semana passada abriu investigação para averiguar se as pedaladas fiscais também infringiram o Código Penal. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.