Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Valorização cambial derrubou preços dos eletroeletrônicos

A valorização cambial em 2005 puxou para baixo os preços dos eletroeletrônicos este ano. Levantamento da Fundação Getúlio Vargas (FGV), a partir dos resultados do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de 2005, mostra que o setor, intensivo em material importado na fabricação dos produtos, se beneficiou da valorização do Real ante o dólar este ano. Segundo o economista da FGV, André Braz, os preços dos eletroeletrônicos no varejo caíram 7,9% em 2005. "Em 2004, os preços desse tipo de produto caíram menos, (-4,94%)", afirmou.O economista explicou que o câmbio favorável atingiu positivamente os custos de produção dos eletroeletrônicos o que barateou os preços no varejo. Entre os destaques da deflação de preços de 2004 para 2005 estão aparelhos de som (de -1,55% para -2,44%); TV a cores (de -0,72% para -10,88%); computadores e periféricos (de -0,72% para -3,22%); aparelhos de telefone celular (de -15,14% para -25,23%) e aparelhos de DVD (de -9,54% para -13,68%).Braz não descartou a possibilidade de que a derrubada nos preços dos eletroeletrônicos este ano também tenha contado com a influência da renda do trabalhador. Ele comentou que a alta no rendimento este ano não foi tão intensa quanto se esperava. Isso pode ter ajudado a manter os preços baixos no setor. "Não tenho absoluta certeza se isso ajudou realmente, mas pode ter contribuído, sim", disse, destacando, entretanto, que incontestável foi a influência da valorização cambial.O economista da FGV citou como exemplo o comportamento completamente oposto dos preços de eletrodomésticos cujas peças são de fabricação nacional. Houve alta expressiva nos preços desse tipo de produto no varejo, em média de 7,10% em 2005, ante 6,09% em 2004.

Agencia Estado,

30 de dezembro de 2005 | 12h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.