TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
Imagem Luiz Carlos Trabuco Cappi
Colunista
Luiz Carlos Trabuco Cappi
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Vamos brincar separados

No carnaval, predominam os excessos e a desordem, para depois a vida voltar ao normal

Luiz Carlos Trabuco Cappi*, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2021 | 05h00

Mais de 150 blocos e ligas carnavalescas do Rio de Janeiro lançaram um manifesto com a recomendação: “Carnaval 2021 é em casa”.

Assinam o documento blocos tradicionais, como o centenário Cordão da Bola Preta, o Simpatia É quase Amor e o das Carmelitas. Preferiram conscientizar a população de que é preciso evitar aglomeração e manter o isolamento social durante o feriado de fevereiro para evitar a propagação da covid-19.

Leia Também

Consenso já

São raros os precedentes como esse. O mais importante foi há mais de 100 anos, em decorrência da morte do Barão do Rio Branco.

Chanceler brasileiro desde 1902, José Maria da Silva Paranhos Júnior morreu aos 66 anos, em 10 de fevereiro de 1912, um sábado, uma semana antes do carnaval. Num primeiro momento, o presidente Hermes da Fonseca se recusou a adiar o carnaval: “Festa do povo, é ao povo que cabe adiar ou não o carnaval”, disse ao vespertino A Noite. Pressionado pela elite da época, porém, o governo transferiu a festa de terça-feira gorda e o feriado da Quarta-feira de Cinzas daquele mês para os dias 6 e 7 de abril. Entretanto, faltou combinar com o povo, que foi para as ruas em fevereiro e voltou dois meses depois, ou seja, houve carnaval em dose dupla. 

Dessa vez é diferente, a iniciativa está partindo das organizações carnavalescas, blocos e escolas de samba, nas principais capitais do País, como demonstra o manifesto da Sebastiana, nome fantasia da associação dos blocos do Rio de Janeiro.

Oficialmente, entre os dias 13 e 16, não haverá festa nas principais capitais brasileiras. É dispensável ressaltar o impacto para a economia, principalmente para companhias aéreas, rede hoteleira e bares e restaurantes, sem falar nas atividades econômicas relacionadas diretamente aos eventos do carnaval. As escolas de samba têm por trás de si toda uma indústria de adereços, alegorias e fantasias.

Mas qual será o efeito psicológico disso, pois o carnaval é um traço da nossa identidade?

Roberto Da Matta, um dos intérpretes do Brasil, no seu livro Carnavais, malandros e heróis, destaca sua importância para a organização da nossa sociedade. Um dos maiores carnavais da história foi o de 1919, após a pandemia da gripe espanhola, que no ano anterior matara 15 mil pessoas somente no Rio de Janeiro. Bombaram os Fenianos e os Democratas, grandes sociedades carnavalescas da época; e o Bola Preta desfilou pela primeira vez.

“Quem não morreu da espanhola, quem dela pôde escapar, não dá mais tratos à bola, toca a rir, toca a chorar”, cantava o povo nas ruas. 

Da Matta nos mostrou que o carnaval é um rito no qual a sociedade é vista pelo avesso: os pobres viram reis e rainhas, heróis e grandes personalidades; os preconceitos e as hipocrisias são desmascarados. A crítica aos poderosos é implacável e divertida, na irreverência de incógnitos foliões, muitos dos quais mascarados. Subverte as hierarquias e um mundo utópico se vislumbra em meio a alegoria, fantasia e sonho.

Nas procissões e desfiles militares, celebra-se a ordem, ensina Da Matta; no carnaval, predominam os excessos e a desordem, para depois a vida voltar ao normal.

Neste ano, porém, tão cedo não haverá volta ao normal. A pandemia mostrou uma sociedade ainda mais hierárquica, desigual, em que as mulheres, os negros, os pobres e os muito miseráveis sofrem muito mais. O carnaval seria o momento de inverter essas coisas, com seus pierrôs, colombinas, esqueletos, monstros e máscaras. “Neste momento, entretanto, estamos todos e todas unidos pela vida. Pedimos que não aglomerem e fiquem em casa”, conclama o manifesto dos blocos.

Pois é, como diz a velha marchinha Até Quarta-Feira, de Geraldo Pereira e Jorge de Castro, neste ano vamos brincar separados. 

*PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO BRADESCO

Tudo o que sabemos sobre:
carnavaleconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.