Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Vamos estabelecer consenso com governo para auxílio matematicamente possível', diz Pacheco

Segundo o presidente do Senado, operação conjunta vai avançar o carnaval para avaliar um benefício 'matematicamente e economicamente possível'

Daniel Weterman e Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

11 de fevereiro de 2021 | 15h42

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-AP), anunciou nesta quinta-feira, 11, uma operação conjunta com o governo federal para encontrar uma solução para o auxílio emergencial. De acordo com o senador, as equipes irão avançar o feriado de carnaval para apresentar um benefício "matematicamente e economicamente possível". 

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governo deve lançar uma nova rodada do auxílio por até quatro meses a partir de março. Pacheco relatou que recebeu um telefonema do ministro da Economia, Paulo Guedes, para alinhar o acordo. O Senado pressiona por uma nova rodada do auxílio, mas sem compromisso imediato com corte de gastos

O Ministério da Economia condiciona o auxílio à aprovação do Orçamento de 2021 e à votação de propostas fiscais em tramitação no Senado. O presidente do Senado, porém, avisou que a necessidade social não pode esperar a agenda econômica. "Essa (agenda fiscal) é uma realidade, não vamos fugir dela. A outra realidade, que é realmente aflitiva, é o anseio das pessoas que estão vulnerabilizadas e estão necessitadas neste momento de ter o socorro do estado", afirmou Pacheco. 

No ano passado, o auxílio foi criado por um projeto de lei aprovado no Congresso. Desta vez, os parlamentares cobram uma solução direta do governo, já que a nova rodada deve ser paga com crédito extraordinário, que só pode ser editado pelo Executivo. Com o crédito extraordinário, as despesas para o pagamento do auxílio ficam fora do teto de gastos, a regra que limita o ritmo do avanço das despesas à inflação.

"Depois, numa eventualidade de não haver esse entendimento por parte do governo federal, nós vamos avaliar no momento oportuno", afirmou Pacheco, reforçando que por enquanto Legislativo e Executivo buscam um entendimento em comum.

Rodrigo Pacheco voltou a manifestar contrariedade com a criação de um imposto temporário para bancar o auxílio, conforme discutido anteriormente. Para ele, um tributo é "inviável" no momento e deve ser debatido na reforma tributária. "O que nós precisamos para já, urgentemente, é do auxílio emergencial ou um programa análogo que possa socorrer as pessoas independentemente da criação de novos tributos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.