Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

'Vamos todos torcer para que tudo dê certo', diz Lobão sobre leilão de Libra

Ministro negou que o governo esteja privatizando o petróleo do pré-sal e disse que esquema de segurança, envolvendo o exército, atende ao 'interesse nacional'

CELIA FROUFE E JOÃO VILLAVERDE, Agencia Estado

19 de outubro de 2013 | 17h01

Brasília - Em coletiva de imprensa na tarde deste sábado, 19, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, ressaltou a importância do leilão do campo de Libra, marcado para este segunda-feira. Mesmo sem saber quantos consórcios vão participar do certame, o ministro disse que a participação de empresas estrangeiras é positiva. "Segunda-feira será dia de fundamental importância para o Brasil, para o povo, a saúde e a educação do Brasil", disse.

O ministro ainda afirmou que o governo federal "não está privatizando o petróleo do pré-sal", e que a iniciativa vai permitir a "apropriação" do petróleo em águas profundas e, com isso, "apressar nossa capacidade para atender nossas necessidades internas".

O pronunciamento de Lobão vem em um momento de acirramento das tensões entre o governo, que convocou o exército para proteger as ruas no dia do certame, e os petroleiros, contrários à privatização do pré-sal. De acordo com a Federação Única dos Petroleiros (FUP), a greve da categoria iniciada na quinta-feira,17, já atinge de 90 a 100% das unidades operacionais. Neste sábado, os petroleiros paulistas também cruzaram os braços. "O esquema de segurança corresponde ao interesse nacional envolvido na operação, que é crucial para o Brasil", disse o ministro.

Ele ainda ressaltou que o Brasil é um país democrático e que a população poderá se manifestar de forma pacífica no dia do leilão."Vamos todos torcer para que tudo dê certo [na segunda-feira], para o benefício do Brasil".

Produção. O ministro salientou ainda que a produção de gás após o leilão será de 120 bilhões de metros cúbicos. Parte desse gás, de acordo com ele, será reinjetada nas plataformas, parte será reutilizada como energia e outra parte virá para o consumo. "Estamos diante de uma madrugada esplêndida", considerou.

Segundo Lobão, a produção de barris de petróleo do bloco de Libra vai permitir ao País cobrir o consumo doméstico de combustíveis e também exportar o excedente. "O passo seguinte é justamente este, o de promover a exportação."

Vitória. Para o ministro, as vitórias da Advocacia Geral a União (AGU) na Justiça apontam que o leilão do bloco de pré-sal atende aos interesses do País. "Foram 23 ações judiciais contestando o leilão, mas as primeiras examinadas pela Justiça foram indeferidas, ou seja, a AGU teve êxito total", disse Lobão, antes de encerrar a coletiva aos jornalistas, convocada na última hora neste sábado para contrabalançar as notícias negativas envolvendo o leilão.

Tudo o que sabemos sobre:
Pré salLobãoleilão de Libra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.