Rafael Neddermeyeri/Fotos públicas
Rafael Neddermeyeri/Fotos públicas

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

‘Vamos viver um super apagão de investimento’

Para economista Raul Velloso, nos próximos meses governo terá de diminuir ainda mais os investimentos

Renée Pereira, Impresso

07 de maio de 2017 | 05h00

O resultado da baixa execução orçamentária do governo federal entre janeiro e abril é a paralisia de obras Brasil afora. Sem dinheiro em caixa, poucas licitações têm sido feitas. A maioria das construtoras está às moscas, sem novos contratos, receita em queda e demissões em massa. “Por causa das dificuldades fiscais, o comportamento dos investimentos federais não condiz com as expectativas de retomada do crescimento da economia brasileira”, afirma Gil Castello Branco, secretário-geral da ONG Contas Abertas.

O economista Raul Velloso, especialista em contas públicas, vai além: “Vamos viver um super apagão de investimentos”. Nos últimos anos, o País já vinha sofrendo para ampliar os investimentos na economia. No ano passado, o Brasil teve a pior taxa de investimentos dos últimos 20 anos, de 16,4% do PIB. Na China, esse porcentual é de quase 50% e na Índia, de 33%. Menos investimento significa menos produtividade, do trabalho e de capital.

Estratégia. Para o professor de mestrado do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), José Roberto Afonso, a queda nos pagamentos de investimentos neste início de ano era esperada, já que o governo federal se “vacinou” para tentar cumprir a emenda do teto do gasto. “Como tal limite foi fixado tendo por base o gasto realizado em 2016, logo, valia gastar o máximo possível naquele ano.”

Ele explica que, no caso dos investimentos, historicamente era comum empenhar dotações do orçamento de um ano e a maior parte ser inscrito em restos a pagar, ou seja, deixar para quitar no ano seguinte. “Seja porque continuou podendo se endividar à vontade ou porque recebeu uma entrada atípica da repatriação do exterior, o governo fez pagamentos de investimentos ao final do ano passado em um ritmo proporcionalmente incomum à prática dos anos anteriores. Isso facilitou cumprir a emenda do gasto.”

Com isso, ele antecipou alguns pagamentos. Ainda assim, avalia Castello Branco, a execução de 2017 ficou muito abaixo das expectativas. O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), José Carlos Martins, acredita que situação atual deve se perpetuar pelos próximos anos, uma vez que o governo federal não tem mais condição de investir. “Mesmo aprovando tudo que está na pauta, como reforma da Previdência e trabalhista, não há mais espaço para investimento federal. O modelo tem de mudar.”

Para isso, no entanto, o Brasil precisa se preparar para atrair mais investidores e aumentar a concorrência na disputa pelos projetos. O caminho daqui pra frente, avalia Martins, é apostar nas concessões e nas Parcerias Público-Privadas (PPP). “Temos de abrir espaço para novas empresas. Licitar lotes menores pode atrair um número maior de competidores.” 

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaPPPInvestimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.