Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Vantagens e desvantagens dos dividendos

O pagamento de dividendos - valor pago em dinheiro aos acionistas de uma empresa quando esta divide parte do lucro do exercício financeiro pelo número total de ações da empresa - não deve ser o único fator a ser considerado ao se escolher uma ação. Isso porque uma empresa que não faz esse tipo de distribuição pode estar reinvestindo o lucro alcançado em projetos que podem trazer, no futuro, um retorno financeiro maior para o investidor.Essas vantagens devem ser analisadas caso a caso, de acordo com cada empresa. "Se a companhia já está em uma fase adulta, ou seja, preparada para a demanda de seus produtos ou se o mercado não tem nenhuma chance de crescimento, o dividendo é vantajoso para o investidor", avalia Fabiano Gomes, gestor de renda variável do Santander Asset Management. Esse é o caso, por exemplo, da Souza Cruz (veja matéria no link abaixo).Reinvestir o lucro nem sempre beneficia o acionistaMas, segundo ele, a empresa que reinveste seus lucros em novos projetos também não beneficia o investidor necessariamente. "Uma empresa só deve reinvestir o excedente dos lucros se o retorno financeiro for superior ao que ela pode conseguir em uma aplicação, por exemplo", explica. Gomes cita um exemplo: se o projeto de uma empresa vai trazer um aumento de 10% ao ano sobre o excedente ou lucro dessa companhia e, no mercado financeiro, a companhia pode receber 15% ao ano em uma aplicação sem risco, o melhor a fazer é aplicar o capital e aumentar o patrimônio da companhia, o que pode estimular uma alta das ações. Júlio Ziegelmann, diretor de renda variável da BankBoston Asset Management, acredita que, quando a empresa não tem boas perspectivas de reinvestimento de seu lucro, o melhor a fazer é distribuir dividendos. "O acionista pode comprar outras ações com esses recursos e tentar conseguir ganhos maiores", justifica. Quando o dividendo não é vantajosoOutro fator a ser analisado pela empresa que vai decidir entre o reinvestimento ou a distribuição de dividendos é a expectativa para o setor onde a empresa atua e a estrutura da companhia. Nicolas Balafas, diretor de renda variável do BNP Asset Management, afirma que para as empresas endividadas a distribuição de dividendos também não é vantajosa para o investidor. Ele explica que o dinheiro distribuído em dividendos poderia ser revertido para o pagamento desses compromissos e, nesse caso, o patrimônio da empresa é preservado. "É como se um pai desse um presente ao filho e ficasse com a dívida na loja", avalia. O diretor de renda variável do ABN Amro Asset Management, Alexandre Póvoa, acredita que o investidor também precisa estar atento aos motivos que levam a empresa a distribuir dividendos. "Se a companhia está nas mãos de poucos acionistas, a distribuição de dividendos pode ter sido planejada para beneficiar especificamente essas pessoas", avalia.

Agencia Estado,

15 de janeiro de 2001 | 17h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.