AP Photo/Charlie Riedel - 08/07/17
AP Photo/Charlie Riedel - 08/07/17

Varejista Sears ingressa com pedido de recuperação judicial nos EUA

Rede varejista com 125 anos de história e que já foi a maior dos Estados Unidos deverá fechar 150 das atuais 700 lojas em todo o país

O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2018 | 03h58

NOVA YORK - A Sears Holdings Corporation, controladora de uma rede varejista com 125 anos de história e que já foi a maior dos Estados Unidos, ingressou na madrugada desta segunda-feira, 15, com um pedido de recuperação judicial, baseado no capítulo 11 da legislação americana sobre falências.

 

A empresa deverá fechar imediatamente 150 de suas atuais 700 lojas, que operam sob as bandeiras Sears e Kmart. Em 2012, a rede contava com 4 mil unidades, que empregavam mais de 350 mil pessoas - hoje, são 70 mil funcionários.

O pedido de recuperação ocorreu no dia em que a companhia varejista deveria quitar US$ 134 milhões em dívidas. Como o caixa da empresa estava negativo no último balanço divulgado, em agosto, havia dúvidas no mercado sobre a capacidade da Sears em honrar o débito.

A Sears registrou lucro pela última vez em 2010. Desde então, acumulou prejuízo superior a US$ 6 bilhões. Há dez anos, a empresa faturava mais de US$ 50 bilhões por ano - no ano passado, foram US$ 16,7 bilhões. O valor da ação da empresa caiu de US$ 141 em 2007 para menos de US$ 1 este ano.

A companhia é controlada por Eddie Lampert, que também exerce os cargos de presidente do conselho de administração e de principal executivo. //DOW JONES NEWSWIRES, ASSOCIATED PRESS

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.