Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Varejistas ganham espaço entre as corretoras com melhora de cenário

Sinais de recuperação e projeções cada vez menores para a inflação animam investidores

De Olho Nas Ações, Broadcast

08 de maio de 2017 | 11h59

A economia brasileira dá sinais de recuperação, as projeções para a inflação são cada vez mais amenas e a aposta geral é na continuidade da trajetória de queda dos juros. O cenário desenhado é propício para a retomada dos ganhos das empresas varejistas. Nesta sexta-feira, 4, por exemplo, a ação da Magazine Luiza subiu nada menos que 14%, depois de a companhia divulgar os resultados do primeiro trimestre deste ano, surpreendendo positivamente. Mais uma empresa que publicou números que agradaram aos investidores foi a Cia Hering. A ação subiu quase 16% no dia seguinte da divulgação do balanço.

A Magazine Luiza teve indicação do Bradesco BBI. A equipe de análise diz que a empresa está liderando o varejo multicanal no segmento de eletrônicos, conquistando participação de mercado relevante. “O negócio está estruturalmente bem ajustado ao crescimento online”, cita o banco.

Outra varejista na carteira do BBI é Lojas Renner. Para os analistas, a compra da ação é uma forma de capturar a retomada da economia. “A empresa, já no primeiro trimestre de 2017, reportou crescimento das vendas mais forte do que o esperado, tendência positiva que deve perdurar ao longo dos próximos trimestres, dada a boa capacidade de execução”, justificam.

Já o portfólio do BB Investimentos trouxe entre as inclusões a Cia Hering. Os resultados do primeiro trimestre deste ano vieram acima das expectativas do mercado e indicam que a companhia pode ter alcançado um momento de virada.

Iochpe-Maxion foi outro destaque entre as recomendações. O papel entrou nos portfólios do Bradesco BBI e do BB Investimentos. O time do Bradesco diz que a empresa tem sido capaz de se beneficiar do crescimento da produção automotiva no País, enquanto os analistas do BB estão otimistas com o desempenho da companhia no curto prazo. Entre os fatores positivos para a Iochpe, observou-se uma alta de vendas de máquinas agrícolas no primeiro trimestre.

Raia Drogasil e Klabin também ingressaram no portfólio do BB. Sobre Raia, a equipe de análise diz que a ação não se aproveitou da recente alta dos papéis de varejo e que está sendo negociada abaixo de múltiplos históricos.

O Banco Fator trocou Hypermarcas por Weg. A saída da Hypermarcas ocorre em função do avanço do papel nos últimos meses. A respeito de Weg, os analistas acreditam que, mesmo com a queda do faturamento no quarto trimestre de 2016, devido à demanda interna fraca, a perspectiva para a empresa é boa. A Weg está se expandindo via aquisições e parcerias. E a diversificação do mix de produtos ofertados proporciona agilidade no ajuste às mudanças na macroeconomia.

A Planner substituiu Sabesp e Raia Drogasil por Itaúsa, em razão do ganho potencial embutido na ação, e Kroton, que recentemente informou o resultado do processo de captação e rematrícula de alunos de graduação.

O Santander, por sua vez, trocou Suzano e Banco do Brasil por Equatorial e Itaú Unibanco. A primeira tem se tornado referência na recuperação de ativos e forte histórico de entrega de resultados, afirma o time do banco. O Itaú Unibanco, por sua vez, apresenta Retorno sobre Patrimônio Líquido superior ao principal concorrente - o Bradesco. Além disso, tem geração de caixa defensiva, pois apenas um terço do resultado consolidado vem de novas concessões de crédito.

Veja as ações mais recomendadas pelas corretoras:

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.