Varejo pede à Mantega prorrogação de IPI menor para o setor

Representantes do comércio argumentam que vendas podem retornar aos patamares anteriores à medida

Rodrigo Petry e Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

26 de junho de 2009 | 16h11

A presidente do Instituto de Desenvolvimento do Varejo (IDV), Luiza Helena Trajano, disse nesta sexta-feira, 26, que representantes do setor varejista solicitaram ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, em almoço promovido pela entidade em São Paulo, que seja prorrogada a redução de alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para geladeiras, fogões, máquinas de lavar e tanquinhos.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

Segundo ela, que é presidente do Magazine Luiza, caso o governo não renove o corte do IPI, as vendas do setor de linha branca poderão retornar para os patamares anteriores aos da medida, editada em abril e que está prevista para terminar em 17 de julho. A executiva acrescentou que as vendas durante o período subiram entre 20% e 25% desde que começaram a vigorar os benefícios tributários. "Sem prorrogação, vai cair o que aumentou", afirmou ela.

 

Segundo Luiza, foi dito ao ministro, durante o encontro, que o setor repassou a redução do imposto para os seus preços. A executiva ressaltou ainda que a renovação da medida poderá manter a geração de empregos tanto na indústria quanto no comércio, que já mostraram sinais de reação desde a implementação do benefício. De acordo com ela, foi a única reivindicação formal feita ao ministro. Questionada sobre a reação do ministro ao pleito, ela respondeu não saber se ocorrerá a renovação do corte de IPI

 

A presidente do IDV já havia apresentado o pedido de renovação do corte de IPI ontem, em Brasília, ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge. A previsão do governo é que a redução de IPI para alguns produtos da linha branca, por três meses, diminua a arrecadação em cerca de R$ 177 milhões.

 

Fontes do governo e da indústria indicaram que na próxima segunda-feira possa ser anunciada a prorrogação do corte do IPI para a linha branca e para os setores automotivo e de materiais de construção.

 

O encontro com Mantega promovido pelo IDV contou ainda com as presenças de executivos e empresários do setor como Michael Klein (Casas Bahia), Ricardo Ribeiro (Marisa), Armando Almeida (Carrefour), Pierre County (Fnac), Jorge Gon (C&C Casa e Construção), Valdemir Colleone (Lojas Cem), Daniela di Fiori (Wal-Mart), Fernando Botton (Leroy Merlin) e Pedro Henz (Livraria Cultura).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.