Varejo tem maior alta de preços desde janeiro de 2005

Os reajustes feitos pelo varejo nos seus preços produziram uma inflação média de 0,44% em janeiro, segundo apurou o Índice de Preços no Varejo (IPV), calculado pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). Com esta variação, o índice do mês passado completou o sétimo mês consecutivo de alta e passou a figurar como o maior registrado desde janeiro de 2005, quando os preços no varejo foram aumentados, em média, em 0,74%.A principal pressão sobre o IPV do mês passado veio do grupo dos alimentos, provocada pelo efeito das chuvas sobre a produção de produtos in natura e pela entressafra de cana-de-açúcar. Nas feiras livres, os preços das verduras subiram 26,07%, seguidos por legumes (14,44%), frutas (3,51%), aves (1,12%) e ovos (0,45%). Nos supermercados, a composição de altas se deu da seguinte forma: os legumes subiram 20,96%, as verduras foram reajustadas em 10,64%, ovos (3,65%), pescados (2,96%) e cafés e chás (2,12%).Em relação à entressafra de cana-de-açúcar, a pressão se fez presente no grupo combustíveis e lubrificantes. Os preços dos combustíveis foram majorados em 1,23% e os lubrificantes em 0,22%.Na mesma base de comparação, também foram apuradas altas nos preços de móveis e decorações (0,67%), óticas (1,24%), autopeças e acessórios (0,62%), jornais e revistas (0,47%), relojoarias (0,47%) e livrarias (0,41%). Ainda segundo o IPV, na comparação de janeiro com dezembro, apresentaram quedas apenas os grupos: veículos (0,26%); vestuário, tecidos e calçados (0,35%); floriculturas (1,44%), brinquedos (0,80%), CDs (0,42%) e açougues (0,39%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.