Varig ainda não sabe quantos dispensará em reestruturação

A Varig ainda não sabe quantas pessoas serão dispensadas, nem quando isso acontecerá. De acordo com a assessoria de imprensa da companhia, a diretoria ainda trabalha no projeto de adequação da empresa ao seu tamanho de mercado. Desde o início do ano, a empresa tem em curso três planos para o quadro de pessoal, sendo um plano de incentivo a aposentadorias; um de licença sem vencimentos e o Programa de Demissão Voluntária (PDV). Não há, ainda, um balanço de quantas pessoas aderiram a estes planos. No fim de semana, o presidente da Varig, Marcelo Bottini, informou que as demissões são "parte dos ajustes" que precisam ser feitas para redução de gastos. Neste sentido, a empresa também tenta negociar com dois dos fornecedores principais, a BR Distribuidora (combustível) e a Infraero (tarifas aeroportuárias), prazos e condições de pagamento, para garantir o fluxo de caixa da empresa nos próximos três meses. Sindicato aguarda resposta O Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) aguarda esclarecimentos sobre as notícias de demissão de pessoal esta semana. A presidente da entidade, Graziela Baggio, informou que o sindicato já era contra plano aprovado em 19 de dezembro, que previa corte de 13% do pessoal. Na sexta-feira passada, o SNA enviou correspondência ao presidente da Varig, Marcelo Bottini, pedindo informações. Ela explica que é importante saber o total de desligados nos planos já abertos, para não se partir para demissões de 2 mil pessoas, sem saber antes quantos funcionários de fato já se desligam via programas incentivados. "Estamos exigindo uma posição deles e que esclareça essas questões", comentou. Ela também informou que houve atraso nos pagamentos salariais, que já eram parcelados. Na última sexta-feira foi paga a terceira e última parcela do mês trabalhado de fevereiro para quem ganha até R$ 1,5 mil. Os que recebem mais de R$ 3 mil ainda não tiveram todo o salário liberado.

Agencia Estado,

03 Abril 2006 | 15h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.