Varig cancela 16 vôos; quatro são internacionais

A Varig informou nesta segunda-feira que foram cancelados 16 vôos, sendo quatro internacionais. De acordo com a companhia, as rotas suspensas foram: Rio-Buenos Aires; Buenos Aires-Rio; São Paulo-Buenos Aires e Buenos Aires-São Paulo. A assessoria de imprensa da empresa explicou que a Varig tenta reprogramar seus vôos para se adequar ao novo tamanho de sua frota. Além disso, a assessoria ponderou que questões climáticas também influenciaram na suspensão. O aeroporto de Porto Alegre, por exemplo, ficou fechado devido ao mau tempo. O presidente do conselho de administração da Varig, Humberto Rodrigues Filho, já havia dito nesta segunda que os cancelamentos de vôos neste fim de semana haviam sido conseqüência de problemas meteorológicos e operacionais. O executivo relatou que, ao todo, foram arrestadas quatro aeronaves que eram usadas em rotas domésticas. O executivo descartou problemas com falta de combustível. Perguntado se a Varig teria problemas ou poderia cancelar vôos para os Estados Unidos nesta segunda, em virtude de uma decisão na sexta-feira passada que determinou a devolução de sete aviões para a divisão de leasing da Boeing, Rodrigues Filho descartou essa hipótese. Foram suspensos nesta segunda-feira quatro pontes aéreas que partiriam do aeroporto de Congonhas. Do aeroporto de Guarulhos, em Cumbica, foram cancelados cinco vôos: Manaus (previsto para 11h), Recife (13h30), Salvador (12h10), e os internacionais para Buenos Aires (15h) e Los Angeles (23h50). Todos os outros vôos da companhia partiram com pelo menos 30 minutos de atraso.Final de semanaO cancelamento dos vôos da companhia aérea começou no final de semana. A Varig suspendeu quatro vôos internacionais: São Paulo-Miami; São Paulo-Nova York; São Paulo-Cidade do México e São Paulo-Santiago. Os quatro vôos internacionais cancelados no final de semana eram de aeronaves Boeing. Na última sexta-feira a Justiça de Nova York determinou que sete aviões da Boeing usados pela Varig, em sistema de leasing, poderiam ser retomados pela Boeing. Segundo a Anac, a Varig não vem informando os motivos dos cancelamentos. Em entrevista neste final de semana ao Estado, o presidente da Varig, Marcelo Bottini, disse que "não pode desacreditar" da proposta feita pela Trabalhadores do Grupo Varig (TGV), no valor de US$ 449 milhões, e comentou que é preciso aguardar a decisão da Justiça. Informou, ainda, que já está negociado com a Boeing que a eventual devolução dos jatos alugados pela empresa seria apenas a partir de terça-feira. Ainda, segundo a empresa, os cancelamentos são resultados de problemas técnicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.