Varig confirma que contestará na Justiça votos da GE

O advogado da Varig, Paulo Penalva, confirmou no início da tarde de hoje que a empresa, o sindicato dos aeronautas e a VarigLog pediram à Justiça a impugnação dos votos da empresa de leasing GE na assembléia de credores da Varig, que aconteceu na segunda-feira. Os votos da GE foram decisivos para o veto às modificações do projeto original de reestruturação da Varig.Segundo ele, a empresa já tinha vendido seus créditos para o JP Morgan em junho e por isso não poderia ter votado na assembléia. "Estamos pedindo a impugnação dos votos da GE. Ela não tinha o direito de votar porque o crédito não era mais seu."Contudo, a GE já havia informado hoje que não participou da votação da assembléia de credores da Varig. A empresa confirmou que vendeu ao J.P. Morgan, em meados junho de 2006, todos os créditos que possuía da Varig, repassando ao banco todos os direitos concedidos por esses créditos, inclusive o direito de voto.Segundo a GE, o JP Morgan, por sua vez, vendeu esses créditos a investidores norte-americanos e estrangeiros no mercado secundário dos Estados Unidos. Desta forma, a votação foi instruída pelos novos proprietários dos créditos. A companhia diz ainda, em nota à imprensa, que não possui qualquer informação sobre a identidade dos novos detentores dos créditos.O advogado da Varig informou ainda que, se o juiz da 8ª Vara empresarial do Rio, Luiz Roberto Ayoub, acatar o pedido de impugnação, o resultado da assembléia será outro. Sem os votos da GE, em uma nova recontagem, as mudanças no plano de recuperação judicial seriam aprovadas, o que permitiria levar a leilão a oferta de US$ 500 milhões feita pela VarigLog. Se confirmada a expectativa de Penalva, o leilão deverá ser transferido de amanhã para quinta-feira. Condições do leilãoEventuais investidores que quiserem participar do leilão terão de depositar US$ 24 milhões, que é o valor do empréstimo que a VarigLog tem feito para custear a operação da ex-controladora (US$ 20 milhões) até a data da venda mais multa de 20%. Além disso, o potencial investidor tem de apresentar uma carta de fiança bancária de US$ 75 milhões. Esse valor corresponde à primeira parcela do aporte total de US$ 485 milhões previsto pela ex-subsidiária e terá de ser depositado no prazo de 48 horas após a homologação da compra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.