coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Varig deixará aeronaves no chão para tentar ampliar liminar em NY

A Varig enfrenta nesta quarta-feira nova audiência na Corte de Falências em Nova York, no momento mais decisivo desde o início da reestruturação judicial, em junho de 2005. Os advogados da Varig nos EUA, na linha de defesa que deverá ser apresentada ao juiz, hoje, querem nova, mas "breve", ampliação da liminar que protege a companhia em relação à dívidas, que envolvem o arresto de aeronaves, anteriores a junho de 2005, para evitar que a empresa caia direto no processo de liquidação pela implementação total do Plano de Contingenciamento.Em contrapartida, os advogados da Varig nos EUA deverão se comprometer com o juiz a manter 20 aeronaves no chão, que juízes nos EUA já concederam ordem de retorno, enquanto vigorar a liminar no período em que também está pendente o depósito de US$ 75 bilhões que a TGV tem de fazer até sexta-feira.Os advogados norte-americanos da Varig, em documento oficial, dizem que, apesar da decisão da Corte brasileira homologando a venda, a empresa começou na terça-feira a aterrissagem das aeronaves e esperava que todas estivessem em solo ao meio-dia. Segundo documento da Corte, a Varig voluntariamente iniciou os primeiros passos do Plano de Contingência e está pronta para implementação total dele no caso de liquidação ou se assim for exigido. Se isto ocorrer, a Varig compromete-se a cooperar com os credores para implementar o Plano de Contingência.Desta forma, o advogado Rick Antonoff levará ao juiz Robert Drain um novo pedido para outra "breve extensão" da liminar que protege a Varig do arresto de aeronaves e execução das obrigações anteriores a junho de 2005. O advogado afirma que, em resposta às vitórias obtidas pelos credores GATX, Boeing, Willis e ILFC, a Varig já tirou de operação as aeronaves de cada um e trabalha na repatriação das mesmas.Cancelamento de vôosA Varig conseguiu colocar em operação apenas dois vôos internacionais na terça-feira. Um com destino a Londres, às 23h30, com duas horas de atraso, e outro com saída para Frankfurt, com escala em Madri, marcado para 21h55. Este último iria apenas até Madri, mas a empresa decidiu ampliar o trajeto para cumprir mais um destino que havia sido cancelado mais cedo.Com estes vôos, a empresa conseguiu cumprir menos da metade dos vôos que estavam programados para terça-feira. De acordo com a Infraero, 208 vôos deveriam partir na terça. Da zero hora às 18 horas, 118 foram cancelados, incluindo os nacionais e os internacionais. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que começou a ser montado no início da noite de terça-feira um plano para embarcar, emergencialmente, passageiros da Varig espalhados por vários países do mundo. A TAM e a Gol devem fazer o transporte da maior parte desses passageiros.

Agencia Estado,

21 de junho de 2006 | 05h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.