bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Varig explica causas do incidente em Brasília; Anac investigará

A "quebra do suporte de fixação das rodas" causou o problema no trem de pouso de um avião da Varig no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, de Brasília, por volta das 12 horas. O esclarecimento foi prestado por meio de nota, pela companhia aérea, na tarde desta sexta-feira. Trata-se da aeronave MD-11, vôo 2204, que tinha 108 passageiros, e partiu do Rio de Janeiro para Manaus, com escala em Brasília. Já a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) iniciou as investigações sobre as causas do incidente e poderá levar entre 30 e 60 dias para divulgar o resultado. De acordo com o especialista em segurança aeronáutica da 6ª Gerência Regional de Aviação Civil, Márcio Santos, "de maneira alguma" a falta de recursos da Varig para serviços de manutenção pode ter causado o incidente. "Não há indícios de ter havido falha operacional. O que aconteceu poderia ter acontecido com qualquer aeronave de outra empresa", afirma.O especialista em segurança aeronáutica do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea), Ronaldo Jenkins, relata que houve quebra de uma das rodas do trem de pouso central. Segundo ele, deverá ser realizado um exame metalográfico para examinar se houve desgaste de material ou excesso de esforço, já que um pedaço do amortecedor também foi danificado.Jenkins disse que ainda é cedo para explicar os motivos. "É difícil dizer (se a falta de recursos da Varig teve influência) sem examinar. Aparentemente não. Uma roda de um carro também pode quebrar se bater no meio fio. Às vezes um pouso mais duro pode ocasionar isso. Quanto ao problema de manutenção, a Varig não deixa um avião voar se ele não tiver condições",diz Jenkins.Aeronave paradaA aeronave está no hangar do aeroporto em Brasília para a troca da peça. O trabalho é deresponsabilidade, segundo a empresa, da Varig Engenharia e Manutenção (VEM), que também fará uma investigação das causas que provocaram o problema. A empresa garantiu, na nota, que o trem de pouso que falhou estava dentro do prazo da manutenção e de acordo com o plano da empresa aprovado pelos órgãos reguladores do setor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.