Varig mantém suspensão de alguns trajetos até dia 18

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou nesta terça-feira que aceitou o pedido da Varig de prorrogar até o próximo dia 18 a suspensão temporária de vôos da companhia aérea. Essa medida foi iniciada em 21 de junho, por conta da crise enfrentada pela empresa, e resultou no cancelamento de diversos trajetos - tanto internacionais como nacionais. Pela regra da Anac, uma vez que determinada companhia não realiza um trajeto de vôo por um período superior a 30 dias, acaba perdendo a concessão da rota. Porém, segundo explicou a agência, a Varig não se enquadrada nessa determinação, tendo em vista que a empresa está em um processo de recuperação judicial e solicitou à Anac um plano de emergência para continuar operando. A Varig informou que mantém as seguintes rotas nacionais: Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém, Manaus, Foz do Iguaçu, Curitiba, Porto Alegre, Fernando de Noronha, Florianópolis, Macapá e Brasília. No âmbito internacional, a companhia ainda opera vôos com destino a Aruba, Copenhagen, Miami, Frankfurt, Londres, Buenos Aires, Lima, Santa Cruz de La Sierra, Santiago e Caracas. Novo leilão A Justiça do Rio aprovou nesta terça-feira a única proposta de compra da Varig feita pela sua ex-subsidiária de logística e transporte de cargas VarigLog. Depois de uma reunião de quase sete horas, o juiz Luiz Roberto Ayoub, responsável pela recuperação judicial da companhia, marcou uma assembléia de credores para o dia 17 de julho. Nessa assembléia, será votada a oferta de cerca de US$ 500 milhões pela companhia aérea, para que ela possa ser levada a leilão no dia seguinte, 18 de julho. O preço mínimo da Varig no leilão, que era de R$ 277 milhões, foi reduzido a R$ 52,8 milhões (o equivalente a US$ 24 milhões).O valor foi reduzido porque algumas garantias de receita que a VarigLog previa para a Varig antiga, como fretamento de aviões e aluguel de imóveis, foram retiradas do cálculo e passaram a ser obrigações do futuro comprador. O valor mínimo corresponde ao ressarcimento da quantia que a VarigLog se dispôs a emprestar para a ex-controladora até a realização do novo leilão.Na segunda-feira, foi feito o 11º depósito, cujo valor não foi divulgado. A Varig, no entanto, depositou para a Infraero R$ 175 mil para o pagamento de taxas aeroportuárias. Até sexta-feira, foram desembolsados US$ 11 milhões para pagamento de despesas como combustível, arrendamento de aviões e taxas aeroportuárias. "A minha avaliação (sobre a proposta) é extremamente positiva porque estamos garantindo a continuidade da Varig", afirmou o presidente da empresa, Marcelo Bottini.Texto atualizado às 17h08

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.