Varig quer expandir participação no mercado brasileiro

A Varig pretende quadruplicar sua atual participação de 5% no mercado doméstico, alcançando uma fatia de 20% em 2007. Para isso, a companhia planeja expandir sua atual frota destinada a vôos no País de 10 para 25 aeronaves. No internacional, a idéia é elevar o número de aviões de três para até 10 unidades, com o quadro de funcionários mais que dobrando dos atuais 2 mil para 4,5 mil, informa o diretor de planejamento da Varig, Luís André Patrão."É possível ter uma fatia de mercado, em menos de um ano, que a Gol atingiu a partir do seu terceiro ano de atividade", afirma o executivo. De acordo com ele, daqui a duas semanas a Varig deverá anunciar a aquisição de novas aeronaves. Como há escassez de aviões no mercado mundial e as fabricantes estão com dificuldades de entregas, Patrão lembra que as negociações estão sendo realizadas com as três principais marcas: Airbus, Boeing e Embraer. Novas rotasComo parte dessa ambiciosa estratégia de expansão, a Varig anunciou a retomada de vôos para Londrina (Paraná) e Vitória (Espírito Santo) a partir de 13 de janeiro. A companhia também fará mais um vôo diário para o Aeroporto Internacional de Confins, aumentando para três a quantidade de freqüências diárias para a capital mineira. Além disso, a empresa anunciou ligações diretas entre o sul brasileiro e as regiões Nordeste e Sudeste. Ao todo, são nove rotas adicionais. Com os novos vôos anunciados ontem e a ampliação da atual frota doméstica de 10 para 15, em janeiro, Patrão acredita que é possível chegar a 8% de participação de mercado até março.Patrão conta que o retorno a Londrina e Vitória será possível porque até 20 de janeiro a Varig vai colocar em operação mais cinco aviões Boeing 737-300, modelo padrão para a operação doméstica. Até fevereiro, a empresa deverá receber um modelo 767, totalizando quatro unidades para o mercado internacional, onde voa para quatro destinos (Buenos Aires, Caracas, Frankfurt e Bogotá). No País, a Varig passará a voar para 15 destinos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.