Varig recebe hoje pela venda da Varig Logística e da Vem

A Varig recebe hoje US$ 62 milhões pela venda da Varig Logística (VarigLog) e pela Varig Engenharia e Manutenção (Vem). O dinheiro será integralmente usado pela empresa para depósito hoje mesmo em conta nos Estados Unidos vinculada ao pagamento de leasing de aviões, que estavam ameaçados de serem tomados caso o pagamento não se efetuasse. O presidente da TAP, Fernando Pinto, disse hoje que a operação é estratégica para a TAP e que a companhia aérea de Portugal assume toda a responsabilidade pelos US$ 62 milhões. Também disse que a operação prevê um prazo de 40 dias para ser concretizado. Nesse período, o valor das duas empresas será avaliado com mais detalhe, podendo subir e os compradores pagarão a diferença. Também há a possibilidade, em tese, de outros investidores aparecerem. Apesar da TAP se apresentar como a compradora, há uma estrutura societária envolvendo outras empresas e pessoas físicas participando da operação e, em um primeiro momento, a maior parte do capital virá de um financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e de Macau. Participação do BNDES Segundo o presidente do BNDES, Guido Mantega, "esse é um primeiro passo para a recuperação da Varig". O BNDES está financiando US$ 41,333 milhões da venda da VarigLog e da Vem à sociedade de propósito específico Aero -LB Participações S.A. formada no Brasil especialmente para a operação, com a maior parte do seu capital vinda da empresa Reaching Force, formada atualmente por 15% de capital da TAP e por 85% do empresa GeoCapital, de Macau. No entanto, 80% do capital votante (que representa um terço do capital total da empresa) será dos donos do fundo de investimento Stratus, Álvaro Gonçalves e Alberto Camões, este último engenheiro aeronáutico. Segundo Pinto, na virada do ano, A TAP terá 50,1% da Reaching Force. O origem dos US$ 20,666 milhões restantes que a Varig recebe hoje pela venda das duas empresas também está na Reaching Force. Pinto informou que a empresa GeoCapital é integrado por dois bancos, uma empresa de investimentos e um acionista individual, que é Stanley Ho, dono de cassinos em Macau. Interesse pela Varig O presidente da TAP reafirmou o interesse da companhia aérea portuguesa em investir futuramente US$ 500 milhões na compra da Varig. No entanto, não fez previsões sobre quando esse negócio poderá ser concretizado. O presidente do BNDES, Guido Mantega, na mesma entrevista coletiva, disse que o Banco não foi chamado a participar de outras etapas de reestruturação da Varig.

Agencia Estado,

08 Novembro 2005 | 16h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.