Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Varig solicita aval do BNDES para compra de combustível

O presidente da Varig, Roberto Macedo, reuniu-se hoje com o vice-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Darc Costa, para tratar da situação da companhia aérea. A Varig quer o aval do banco para que a BR Distribuidora conceda crédito para o pagamento do combustível - hoje a empresa paga diariamente pelo fornecimento. A empresa aérea também quer que o Banco do Brasil (BB) dê mais prazo em dívidas que estão vencendo. Segundo informação oficial do BNDES, a reunião no banco foi apenas para "conversações" entre as duas partes. Já a Varig limitou-se a divulgar que "a reunião com o banco atendeu às expectativas" e que há "forte e clara tendência por parte do BNDES em participar da solução", sem precisar, contudo, de que forma isso ocorreria. "Entretanto, há limitações que precisam estar superadas para que o BNDES possa participar. A forma para viabilizar os instrumentos e as garantias necessárias estão sendo discutidos". O banco exige a apresentação de um documento mostrando que a fusão é irreversível para avalizar a Varig nas negociações com a BR e o BB. O documento, que já foi discutido semana passada, não foi apresentado hoje. No último sábado, durante a assembléia da Fundação Ruben Berta (FRB), a informação era de que a carta poderia ficar pronta até esta sexta-feira. Na TAM, contudo, haveria um ceticismo sobre o prazo, segundo fonte ligada à empresa. Detalhes importantes da estrutura da nova empresa, das participações acionárias e de acertos comerciais ainda precisam ser definidos pela FRB e pela TAM. Alguns deles estão ligados às cláusulas que prevêem a prestação de serviços da Varig Engenharia e Manutenção (VEM) e da VarigLog à empresa resultante da fusão.

Agencia Estado,

26 de maio de 2003 | 19h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.