Varig tem aeronaves protegidas de arresto

A Varig obteve nesta quarta-feira uma nova vitória na Corte de Falências no Distrito Sul de Nova York, nos Estados Unidos. O juiz Robert Drain decidiu pela manutenção da liminar que protege a empresa do arresto das aeronaves pelos credores nos Estados Unidos, até 13 de junho, quando deve haver uma nova audiência na corte local. Em quase duas horas de audiência, na qual a Varig foi acusada novamente pelos advogados dos credores de promover canibalização das partes das aeronaves, a única testemunha foi Luis de Lúcio, da empresa de reestruturação Alvarez e Marsal. Drain, assim como na audiência anterior, mostrou-se sensibilizado pelas demandas dos credores internacionais, que afirmam não terem seus direitos respeitados por não receber pagamentos e nem seus equipamentos de volta - como é o caso das turbinas das Willis Lease Finance - mas acrescentou que a continuação da liminar permitira a Varig realizar adequadamente o leilão marcado para a próxima Segunda-feira.Boa vontadeO presidente da Varig, Marcelo Bottini, avalia que "a Justiça norte-americana mostrou boa vontade com a Varig e acredita na solução da empresa". "Diante do leilão marcado para o dia 5 de junho, o juiz (Robert Drain) deu um prazo maior para nós", comentou, ao sair da audiência na Corte de Falências no Distrito Sul de Nova York.Bottini destacou que a Varig poderá finalizar sua reestruturação e acrescenta que o momento é de preparação para a alta estação das férias no Brasil e, principalmente, antes de julho, há o estímulo previsto pelo aumento de movimento com a Copa do Mundo, " que é algo extremamente positivo para nós", pondera."À medida que se determine o comprador e que você tenha os US$ 75 milhões (aporte para o leilão) já começará a haver uma normalidade. Eu vejo que a partir daí, as coisas começam a tomar um rumo. A Varig vinha em uma espiral negativa, estacionou e agora, com isso, começa a se recuperar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.