VarigLog faz novo depósito à Varig

A VarigLog fez um novo depósito para a Varig para garantir fluxo de caixa da companhia aérea por mais 24 horas. A empresa explicou que não informará o valor do depósito. Na semana passada, a Variglog liberou US$ 7 milhões para manter o funcionamento operação da Varig. A proposta de compra da VarigLog, no valor de US$ 500 milhões, prevê uma injeção inicial de recursos de até US$ 20 milhões. O objetivo é garantir as operações da companhia aérea até um novo leilão, marcado inicialmente para o dia 12. Porém, a data ainda precisa ser confirmada. A Justiça do Rio de Janeiro convocou para o próximo dia 10 assembléia de credores da companhia para avaliar a proposta da VarigLog.Em nota divulgada nesta segunda-feira, o juiz responsável pelo processo de recuperação judicial da companhia, Luiz Roberto Ayoub, da 8ª Vara Empresarial do Rio, explica que, no detalhamento da proposta apresentada pela VarigLog, ficou acertado que haverá um modelo de venda que permita a continuidade operacional da antiga empresa, que herdará todas as dívidas da companhia aérea.A nota informa ainda que a validade das propostas de outros interessados dependerá da comprovação de capacidade de suportar os custos econômico e financeiro da companhia. Essa comprovação deverá ser feita por meio de fiança bancária, a ser apresentada no momento do lance.Caso a VarigLog não seja vencedora, o consórcio que arrematar a Varig terá de ressarcir a ajuda financeira dada pela ex-subsidiária à companhia, mais um valor de 10% a título de prêmio. ExigênciaNo edital de convocação para assembléia de credores deverá constar a exigência de que o interessado em fazer a oferta apresente uma carta de fiança de US$ 100 milhões para participar do leilão da companhia aérea. A informação foi dada por uma fonte que participa do processo de recuperação judicial da companhia. A exigência visa dar uma maior credibilidade à proposta, já que no último leilão, o consórcio liderado pela Trabalhadores do Grupo Varig (TGV) venceu mas não conseguiu reunir investidores que depositassem o sinal de US$ 75 milhões necessário para concluir a operação. O que tornou o leilão cancelado. Segundo a fonte, pelo edital a antiga Varig (empresa que restará após o leilão dos principais ativos da companhia aérea) ficará com dois aviões e uma linha. Com isso, será obedecido o artigo 60 da Nova Lei de Falências, que determina que a empresa em processo de recuperação judicial permaneça com algum ativo operacional, como forma de ela continue funcionando e gerando receita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.