Vários serviços do BC deixaram de operar por 3h30

O Banco Central (BC) informou nesta noite que vários serviços do banco deixaram de operar por três horas e trinta minutos hoje. Segundo o BC, uma queda no fornecimento de energia elétrica afetou a rede de 110 volts do banco, que é usada para fornecer energia aos computadores do órgão. A Companhia Energética de Brasília (CEB) negou a ocorrência de falha na sua rede.De acordo com o BC, houve a pane, que teria impedido o funcionamento dos computadores das 11h55 às 15h14. A assessoria de imprensa do BC disse que o problema elétrico afetou exclusivamente a rede usada nos computadores, sem que a iluminação do prédio fosse afetada.Entre os serviços que o BC diz terem sido afetados estava o Sistema de Transferências de Reservas Bancárias (STR), mas, segundo o banco, isso não causou problemas de liquidez no mercado. Com a interrupção dos serviços, o banco decidiu prorrogar o horário de funcionamento das câmaras de liquidação para que as operações do sistema financeiro pudessem ser realizadas.As transações que não puderam ser registradas no período em que os computadores do BC ficaram fora do ar foram registradas após o reativação dos serviços, por volta das 15h30. Perto das 19 horas, todos os serviços estavam funcionando dentro da normalidade, segundo o BC.Apesar da pane, a assessoria de imprensa do BC informou que o órgão tem "níveis adequados de redundância e segurança para o funcionamento do sistema". Os problemas serão avaliados pela área de infra-estrutura do banco.A CEB, por intermédio de sua assessoria de imprensa, negou qualquer falha na rede elétrica na região central de Brasília, onde fica a sede do BC. Os únicos problemas constatados pela CEB hoje, segundo os assessores, foram na região do Lago Sul e Lago Norte, áreas distantes pelo menos 10 quilômetros do BC. Segundo o setor técnico da companhia elétrica, se o BC enfrentou problemas de energia, eles podem ter sido gerados na rede interna do banco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.