Vaso de 400 toneladas do Comperj tomba no transporte

Acidente envolveu estrutura que serialevada para obrarealizada pela Petrobrás em Itaboraí, no Rio

VINICIUS NEDER, O Estado de S.Paulo

17 Dezembro 2014 | 02h04

RIO - Um vaso de pressão - estrutura cilíndrica de cerca de 400 toneladas - a ser instalada no Comperj, em construção pela Petrobrás, tombou na tarde de segunda-feira, quando era instalado numa balsa de transporte no terminal da empresa Locar, na Ilha do Governador, no Rio. Não há relatos de feridos. A Petrobrás e as prestadoras de serviços envolvidas no transporte não informaram, até o fechamento desta edição, o estado da peça ou possíveis prejuízos. 

O transporte de equipamentos que chegam a pesar alguns milhares de toneladas e têm sido importados pela Petrobrás desde 2011 é um dos capítulos da arrastada obra da refinaria em construção em Itaboraí, região metropolitana do Rio.

Projetado em 2006 por US$ 6,5 bilhões para ser um complexo petroquímico, o Comperj deverá ficar pronto em agosto de 2016. O custo chegará a US$ 13,5 bilhões, mas para fazer apenas uma refinaria convencional de combustíveis, com capacidade de 165 mil barris/dia, deixando a petroquímica de lado.

A Locar confirmou o incidente por meio de nota e esclareceu que não é "a responsável pela operação de remoção". A Transdata, contratada para fazer o transporte dos equipamentos, também confirmou a ocorrência do incidente, mas não deu informações detalhadas sobre o caso, alegando confidencialidade no contrato com a Petrobrás. Procurada, a Petrobrás não se posicionou até o fechamento desta edição.

Desde 2011, os equipamentos ultrapesados estão armazenados em vários pontos no entorno do Porto do Rio à espera de uma solução logística para ser entregues no canteiro de obras do Comperj. A opção escolhida, a construção de um cais em São Gonçalo, cidade vizinha a Itaboraí, e de uma estrada especial - necessária para carregar equipamentos de milhares de toneladas - atrasou e as peças ficaram encalhadas, gerando custos de armazenagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.