Vasp: recuperação depende da quitação de R$ 1 bilhão

A Empresa Brasileira de infra-estrutura Aeroportuária (Infraero), que administra os aeroportos do País, insiste em receber toda a dívida de quase R$ 1 bilhão da Vasp. O presidente da estatal, brigadeiro José Carlos Pereira, informou nesta quarta-feira por meio de sua assessoria, que "não há base legal" que permita à Infraero aceitar a proposta da Vasp de pagar a dívida com um deságio de quase 65%."Isso seria uma prevaricação (não cumprir os deveres do cargo público), e não há como a Infraero abrir mão do que não é só dela", afirmou o brigadeiro, lembrando que parte do dinheiro é devido ao Comando da Aeronáutica, que o aplica em ações de segurança de vôo.Técnicos da Infraero voltaram a analisar, nos últimos dias, a possibilidade de flexibilizar a cobrança da dívida. A conclusão, no entanto, é que não há como abrir mão de valores porque eles envolvem recursos públicos. Na dívida da Vasp, há tanto tarifas aeroportuárias - devidas pela empresa e cobradas de todas as companhias pela utilização das instalações em aeroportos para pousos, decolagens e manutenção - quanto tarifas de embarque pagas pelos passageiros ao comprarem bilhetes aéreos.Sendo mantida essa proposta, a orientação do Conselho de Administração da estatal é votar contra o plano de recuperação da Vasp nas assembléias de credores. A empresa admite apenas a possibilidade de negociar a forma e eventual parcelamento da dívida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.