Vasp tem 24 horas para pagar credores

Sob pena de ter a falência decretada, a Vasp - Viação Aérea de São Paulo -, terá 24 horas, a partir da intimação, para pagar a dois de seus credores o total de R$ 9,125 milhões, acrescidos de juros, correção monetária e honorários dos advogados da parte contrária. Se preferir, a Vasp poderá apresentar defesa, com a condição de, "visando demonstrar sua solvabilidade", depositar em juízo os valores reclamados, no mesmo prazo.O prazo foi dado nesta quarta-feira pelo juiz da 42a. Vara Cível da Capital, Carlos Henrique Abrão, nos processos em que a G.E. Varig Engine Services S/A e a G.E. Celma Ltda pedem a quebra da empresa aérea, com base em duplicatas contra ela emitidas, referentes a prestação de serviços, vencidas, não pagas e protestadas. As credoras são especializadas no fornecimento de peças e reparos de motores aeronáutico. A G.E. Varig reclama o pagamento de R$ 6.001.610,53, e a G.E. Celma, R$ 3.125.828,17. Duplicatas estão protestadas desde o dia 26 de agosto do ano passado.Numa tentativa de evitar o pagamento, a Vasp entrou com pedido de sustação dos protestos e com "ação declaratória de inexigibilidade de títulos", na 11a. Cível da capital. A primeira foi extinta e a outra julgada improcedente, tendo o juiz reconhecido a regularidade formal das duplicatas.O ministro da Defesa, José Viegas, advertiu, também nesta quarta, que se a Vasp não apresentar até sexta-feira uma certidão negativa de débitos, "a renovação da concessão à empresa não será feita, e ela fica impedida de voar". "É preciso que a empresa mostre um plano de pagamento, demonstrando a sua intenção, o seu propósito de pagar", explicou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.