VCP prevê aumento de 9% na venda de celulose

A Votorantim Celulose e Papel (VCP) prevê elevar em 9% as vendas de celulose este ano, chegando a 1,2 milhão de toneladas, segundo o diretor de Negócios de Celulose da empresa, Sérgio Almeida. Para o negócio de papel, a expectativa da empresa é a de que o volume comercializado recue 24%, para 380 mil toneladas, em razão da venda de ativos colocada em marcha no decorrer do ano passado. ?As condições para o mercado de celulose seguem favoráveis?, explicou Almeida. ?O inverno mais ameno no Hemisfério Norte reduziu a disponibilidade de madeira e, ao mesmo tempo, o spread entre fibra longa e curta se mantém em US$ 100 por tonelada, o que estimula a migração da primeira para a segunda fibra?, disse o executivo, em teleconferência com analistas para comentar o desempenho da VCP em 2007.Para os preços da celulose, comentou Almeida, a VCP trabalha em seu orçamento com expectativa de alta de 5% na cotação média do ano, frente ao registrado em 2007. No ano passado, em média, as cotações nos três mercados de referência subiram 10%. ?Essa expectativa de aumento médio de 5% pode ser conservadora?, disse. ?Numa visão otimista, esperaríamos uma alta de 8% a 10%, assim como ocorreu em 2007, uma vez que as condições de mercado devem ser bastante parecidas.?Os possíveis riscos à manutenção do cenário positivo para a celulose, afirmou o executivo, são a variação significativa das moedas, em sentido contrário ao que se tem verificado, ou uma grave crise econômica. ?Por outro lado, a China pode ser a surpresa positiva?, disse.Para o primeiro trimestre, segundo o executivo, é praticamente certo que haverá aumento nas cotações da celulose no mercado asiático, europeu e norte-americano. No início desta semana, a chilena Arauco anunciou o reajuste do preço da celulose de eucalipto vendida para a Ásia em US$ 30/tonelada, a partir de 1º de fevereiro, movimento que poderá ser acompanhado pela VCP. ?O cenário é francamente positivo. É muito provável que ocorra esse reajuste para fevereiro?, disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.