Veículos de carga usarão vale-pedágio nas estradas

A partir de sexta-feira, todas as empresas que contratarem uma transportadora ou um caminhoneiro serão obrigadas a lhe fornecer o vale-pedágio, segundo portaria publicada hoje pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A medida era uma antiga reivindicação dos transportadores, que reclamavam do fato de estarem arcando com o custo do pedágio, segundo o diretor-geral da ANTT, José Alexandre Resende.Num transporte de Porto Alegre para Brasília, por exemplo, o pedágio representa 15% do valor total do frete e é inteiramente absorvido pela transportadora e pelo caminhoneiro?, comentou Resende. A Agência dará um prazo de 20 dias para que o setor se ajuste às novas regras e a partir de 15 de novembro o novo sistema se tornará obrigatório.A medida deverá atingir 1,8 milhão de veículos de carga existentes em todo o País. Quem não cumprir a resolução da ANTT estará sujeito a multa, que pode chegar a R$ 550 por veículo em cada viagem, no caso do embarcador, e a cada dia, no caso da concessionária que não aceitar o vale.Papel e cartãoO vale-pedágio, inicialmente, estará disponível em duas formas de pagamento - papel e cartão. O vale em papel, a ser emitido pela empresa DBTrans, é parecido com os vales-refeição entregues pelas empresas a seus funcionários. O segundo sistema será um cartão da rede Visa, que contém um microchip e pode ter os créditos recarregados.A partir de sexta-feira, as operadoras de rodovias terão que oferecer pelo menos um dos dois sistemas aos usuários e os transportadores somente continuarão a pagar o pedágio com dinheiro em espécie quando estiverem com caminhões vazios ou transportando carga própria. ?O embarcador não pode mais oferecer dinheiro para pagamento do pedágio?, disse Resende.A grande vantagem, segundo ele, será o lançamento do número do vale-pedágio na nota fiscal da mercadoria, o que permitirá o controle pela Agência. Essa medida resultará em queda na evasão de receitas das concessionárias de rodovias e na redução de roubos de carga, além de inibir a criação de um mercado paralelo de venda de vales-pedágio.A situação atual, de acordo com o diretor, fez que com que muitos caminhoneiros passassem a buscar desvios nas rodovias para fugir das praças de pedágio. Além de reduzir a receita das concessionárias e aumentar indiretamente o valor a ser pago pelos demais usuários, esses desvios facilitam a ocorrência de roubos de cargas. Com o vale, não haverá razão para que o caminhoneiro fuja do pedágio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.