Veja como economizar energia no condomínio

Mesmo com a exclusão dos condomínios residenciais (área comum) da regra de corte de energia, nos casos em que a meta de economia de 20% não for cumprida, os moradores não ficarão livres das conseqüências do racionamento de energia. Isso porque a medida que estabelece a sobretaxa para determinadas parcelas continua valendo, o que deve elevar de maneira significativas as contas de energia dos condomínios (veja mais informações no link abaixo).De acordo com Claudio Anauate, diretor de condomínios da Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo (AABIC), a conta de energia elétrica representa hoje 6,5% do valor do condomínio. Com a sobretaxa, sem a parcela de 20% de economia, o peso deste gasto passaria para 15,6%. No final, o valor mensal do condomínio a ser pago aumentaria, em média, em 11%. Se os moradores conseguirem economizar a parcela de 20%, o peso da energia nos custos passaria para 12,6% e, para o morador, o condomínio aumentaria em 7,07% na média.Anauate esclarece que os vilões do consumo de energia nos condomínios são os elevadores, portões automáticos e bombas d´água. "No caso do elevador, o consumo desse equipamento representa 30% do gasto do condomínio", afirma. Segundo Anauate, há várias opções para o condomínio reduzir seu consumo de energia elétrica, como diminuir a intensidade da iluminação nas áreas sociais - corredores, garagens, jardins e entradas -, instalar sistemas automáticos (sensores) para a iluminação, substituir as lâmpadas por modelos que apresentam um gasto menor de energia (fluorescentes) etc. Em relação aos equipamentos que apresentam um consumo maior de energia, veja as principais dicas:Bomba d´águaO gasto de energia elétrica com este equipamento está diretamente relacionado ao consumo de água do condomínio, pois a bomba manda água limpa para o reservatório e retira do condomínio o esgoto para ser lançado na rede pública. Portanto, a recomendação é que os moradores também reduzam o gasto de água diariamente. Alguns procedimentos básicos para isso são:- não lavar os carros na garagem dos prédios; - evitar o uso de água na limpeza das áreas sociais;- não usar a mangueira de água para lavar a calçada. O ideal é usar a vassoura;- consertar possíveis vazamentos na rede hidráulica de cada unidade do condomínio; - no caso das residências, evitar o uso de máquina de lavar louça. Para a máquina de lavar roupa, o melhor é usá-la sempre na capacidade máxima, evitando o uso freqüente do equipamento. Dessa forma, além de economizar água, o morador vai economizar energia de seu uso pessoal;- regular a vazão da válvula de descarga;- diminuir o tempo dos banhos. Isso diminui o gasto de água e também o de energia, pois o chuveiro é um dos vilões do consumo de energia elétrica.ElevadoresO simples fato de os elevadores estarem ligados já provoca um gasto de energia. Mas, sempre que são acionados, ou seja, quando os motores entram em operação, o consumo de energia aumenta. Portanto, evitar o uso desse equipamento é fundamental. Veja as principais recomendações:- diminuir o número de elevadores ativados;- recomendar aos moradores das unidades até o 4º andar que, sempre que possível, utilizem as escadas, pelo menos para descer;- diminuir a intensidade de iluminação dentro dos elevadores;- há programas que enviam automaticamente os elevadores para o térreo, sempre que são utilizados. O ideal é que esse sistema seja desativado. Dessa forma, o equipamento só será acionado se, de fato, for usado;- alguns elevadores também possuem um sistema que, caso o morador chame dois elevadores ao mesmo tempo, apenas um responderá à chamada.Saiba mais sobre a crise de energiaNão deixe de ver no link abaixo a cartilha completa sobre o racionamento de energia, que oferece dicas para reduzir o consumo de energia em determinados aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos, a orientação para o cálculo do valor da sobretaxa e do bônus para quem economizar energia, as metas estipuladas pelo governo etc. Além disso, há orientações para a eventualidade de um apagão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.