coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Veja os produtos para torcer pela seleção na Copa

No próximo dia 31 começa a Copa do Mundo 2002. Enquanto os jogadores brasileiros não entram em campo para buscar o pentacampeonato, a torcida brasileira vai se equipando. Conheça os produtos mais vendidos em lojas de departamento, de artigos esportivos, hipermercados e lojas virtuais, como bandeiras, camisas, bolas, cornetas, bonés, sandálias e até tatuagens com as cores da bandeira brasileira.HipermercadosNas Lojas Americanas os torcedores encontram diversos produtos para torcer para o Brasil nesta Copa. As principais ofertas são: camisetas infantis oficiais Copa do Mundo 2002 por R$ 7,90; camisetas estampadas Copa do Mundo Folha a R$ 9,90; as camisas torcida Floc por R$ 12,90; as camisas torcida Topper custando R$ 19,90; tatuagens para unhas Brasileirinha, que custam R$ 0,99; a bola Dal Ponte Copa do Mundo 2002 por R$ 16,90; a bola Topper Copa do Mundo a R$ 26,90; a corneta com bandeira por R$ 1,99; a bandeira do Brasil em plástico, que custa R$ 0,79; e a bandeira do Brasil para carro em plástico por R$ 1,50.Nas lojas do hipermercado Carrefour, o torcedor encontra camisetas e bonés para torcer pela seleção. Entre as principais ofertas estão: camisa polo de algodão da Copa, por R$ 15,90; camiseta infantil Fifa, que sai por R$ 7,90; camiseta AACD da Copa, a R$ 11,90; a camiseta do Brasil da Topper, por R$ 11,90; e os bonés da Copa por R$ 6,90.Nas lojas do hipermercado Extra, o torcedor encontra as seguintes ofertas: camiseta Copa 2002 com várias estampas por R$ 7,90; o óculos estampado Copa, que custa R$ 5,90; o boné Copa por R$ 4,90; as sandálias Havaianas Brasil, que custam R$ 5,90; a bandeira do Brasil plástica, a R$ 0,45; a bandeira do Brasil de tecido por R$ 4,90, o cornetão por R$ 0,98; e a bola infantil Copa vinil, custando R$ 1,99.O Extra também vai sortear automóveis e viagens durante a Copa do Mundo. A Goleada Extra vai premiar os clientes do hipermercado em cada gol marcado pela seleção brasileira. Para cada gol, o hipermercado sorteará um automóvel Gol e 10 passagens da Gol Transportes Aéreos, com direito a acompanhante, para vários Estados do Brasil. Para participar, o cliente deve preencher um cupom, entregue a cada R$ 40,00 em compras, e depositá-lo em uma das 55 urnas espalhadas por todas as lojas do Extra. Além dos prêmios, o Extra está oferecendo descontos de até 35% em mais de 500 produtos em todas as seções.LojasNo Shopping Aricanduva algumas lojas estão com promoções em produtos voltados para a Copa do Mundo. Na loja Bekause a regata bandeira do Brasil em malha fria custa R$ 24,00; a calça bandeira do Brasil em moleton de lycra sai por R$ 69,90; e a saia em poliéster nas cores branca e amarela custa R$ 59,90. A loja Kimania tem a almofada bandeira: em tecido felpudo, antialérgica, com o símbolo da bandeira do Brasil, por R$ 44,00; e a almofada Copa do Mundo com emblema da bola de futebol, a R$ 24,00.A loja de artigos esportivos Centauro está vendendo os produtos oficiais da seleção brasileira. A camisa oficial da seleção brasileira de manga curta fabricada pela Nike custa R$ 119,60. A camisa oficial de manga longa sai por R$ 144,80. Os bonés oficias da Nike custam R$ 39,60. O kit torcedor do Brasil júnior da Nike custa R$ 89,60 e a bola oficial da Copa da Adidas, R$ 49,90. A bandana Nike Brasil sai por R$ 31,60 e o agasalho oficial da seleção, R$ 379,60.InternetNa loja virtual de artigos esportivos da Roxos e Doentes, a www.roxosedoentes.com.br, o torcedor também encontra os produtos oficiais da seleção brasileira. A camisa oficial da seleção brasileira de manga curta fabricada pela Nike custa R$ 119,90. O agasalho oficial da seleção sai por R$ 347,80 e a camisa de goleiro, R$ 136,90. A loja também vende os artigos da seleção brasileira pelo telefone 0800-7721505.CamelôsO torcedor pode optar também por camisas e produtos vendidos por ambulantes em várias regiões da cidade. Porém, vale lembrar que a Fundação Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual, recomenda não comprar produtos em camelôs. Os técnicos do órgão destacam que os produtos podem ser mais baratos, mas não possuem certificação de qualidade e os ambulantes não oferecem nota fiscal. Sem a nota fiscal, o torcedor não tem como reclamar ou troca o produto em caso de defeito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.