finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Veja quais os danos causados por apagões

Com a iminência da ocorrência de apagões por conta do racionamento de energia elétrica, os consumidores devem estar atentos a danos causados pelo corte de energia em aparelhos e serviços de uso cotidiano. Para questionar sobre os efeitos dessa medida adotada pelo governo, foram consultados o engenheiro líder da Unidade de Serviços da Eletropaulo na zona Norte, Arnaldo Silva Neto, e a advogada do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Maria Inês Dolci.EletroeletrônicosCaso um apagão venha danificar algum equipamento eletroeletrônico, a advogada do Idec recomenda que o consumidor peça indenização ou a reposição do equipamento. O caminho para a reclamação é ligar para a distribuidora responsável pela área. Ao falar com o atendente, o consumidor deve anotar o número do protocolo da reclamação. "O Código de Defesa do Consumidor, no artigo 22, diz que o fornecimento de energia tem de ser continuo. Por isso, em caso de cortes, os consumidores podem reclamar.", afirma Maria Inês. Já o Procon-SP está aguardando o governo definir todas as regras do racionamento para informar como os consumidores podem agir.ElevadoresO consumidor que ficar preso em um elevador por falta de energia elétrica pode processar a distribuidora e pedir uma indenização. A situação pode ser bastante comum, pois os horários dos apagões não serão avisados e a maioria dos edifícios ainda não possui geradores. De acordo com o engenheiro da Eletropaulo, o elevador pára imediatamente no momento em que é feito o corte de energia. Caso isso aconteça, ele afirma que é possível movimentá-lo manualmente. Escapam disso os moradores de edifícios com geradores. Portões automáticosPara quem tem em casa ou no edifício com portões eletrônicos, a alternativa será apelar para a abertura e o fechamento manual do equipamento. "Normalmente esses equipamentos permitem a alteração rápida do modo elétrico para o manual. É só mudar uma chave", diz o engenheiro. Mas de qualquer forma é um transtorno, diz a advogada do Idec Maria Inês Dolci: "Quem não puder entrar ou sair de casa por conta da interrupção no fornecimento pode acionar a concessionária e fazer uma queixa. Só o estresse já vale a reclamação."ComputadoresO medo maior para quem utiliza esse equipamento no trabalho é a perda de arquivos ou documentos por causa dos apagões. Segundo o engenheiro, só estarão livres da perda de arquivos no computador as pessoas que tiverem no-breaks, uma espécie de bateria que evita a queda de energia. O mesmo vale para equipamentos de fax e telefones sem-fio. "Nenhum desses equipamentos armazena energia", explica.HospitaisApesar de os hospitais serem considerados prestadores de serviços essenciais e estarem fora do corte de energia, a advogada do Idec lembra que clínicas médicas de menor porte (clínicas plásticas, oftamológicas e dermatológicas) podem sofrer com os apagões. Para estes casos, o consumidor pode acionar os órgãos de defesa do consumidor. Já os hospitais, além de não serem atingidos com o corte de energia, a maior parte deles conta com sistemas de geradores próprios de energia e no-breaks.GeladeirasO tempo previsto para que dure cada um dos cortes de energia varia entre duas e quatro horas. O Idec e a Eletropaulo concordam que esse tempo não tem efeitos nocivos sobre alimentos em freezers e geladeiras. No entanto, segundo a advogada do Idec, caso isso ocorra, o consumidor pode reclamar. Ela lembra que nesse caso é preciso sempre ligar para a distribuidora de energia e guardar o protocolo da reclamação. Depois disso, tem de ser feita uma queixa à Comissão de Serviços Públicos de Energia (CSPE). O engenheiro da Eletropaulo, lembra que para evitar problemas é recomendável deixar a porta da geladeira o máximo de tempo fechada durante o corte. "Com isso, evita-se que a energia armazenada seja gasta."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.