Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Velocidade, volume e fluxo de capital podem ser fonte de preocupação para o país

Reversão desse movimento, que deve acontecer quando a situação financeira de outros países se normalizar, também é preocupante, afirma presidente do BC

Luciana Antonello Xavier, enviada especial,

26 de março de 2012 | 17h50

MIAMI - O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, disse hoje que a intensidade, velocidade e volume de fluxo de capital para o País podem ser fonte de preocupação, assim como a reversão desse movimento, que deve ocorrer quando as condições financeiras e monetárias de outros países começarem a se normalizar. Segundo ele, o BC está atento aos dois movimentos de modo a ajudar a garantir a estabilidade financeira do País. Um dos meios de atuar diante do forte fluxo tem sido o contínuo acúmulo de reservas internacionais. "Tem muita liquidez circulando no mundo. Isso é uma parte da história, não é algo permanente. Em algum momento irá haver reversão, uma vez que as condições financeiras e monetárias de outros países comecem a se normalizar", disse Tombini, durante discurso a investidores em Miami.

Por outro lado, Tombini disse que o Brasil continua a ser um destino "muito amigável" para o investimento estrangeiro direto (IED) e que nesse caso, as perspectivas de que o Brasil siga recebendo investimentos de longo prazo são positivas. O presidente do BC chegou hoje à cidade americana e retorna amanhã à tarde ao Brasil, após participar de evento fechado com investidores estrangeiros.

Tudo o que sabemos sobre:
BCFluxo de capital

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.