Vencedor do leilão do Madeira terá apoio financeiro, diz Dilma

Segundo a ministra, usinas do Rio Madeira marcam a retomada dos investimentos do País em energia hidrelétrica

Anne Warth, da Agência Estado,

07 de dezembro de 2007 | 12h20

A ministra chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, disse nesta sexta-feira, 7, que o consórcio que vencer o leilão da usina de Santo Antonio, no Rio Madeira (RO), que será realizado na próxima segunda-feira, receberá apoio do governo em questões financeiras, ambientais e sociais que envolverem o projeto. Segundo ela, as usinas do Madeira terão grande impacto na vida do País e significam a retomada dos investimentos em energia hidrelétrica. "Depois que sair o ganhador do leilão, o governo vai organizar uma estrutura de acompanhamento, monitoramento e apoio ao projeto", garantiu a ministra, ao participar do seminário internacional Consolidação Regional e Expansão Global das Empresas Multinacionais Latino-Americanas, promovido pela Fundação Dom Cabral, em São Paulo. "O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e os próprios fundos de pensão estão disponíveis para o ganhador para providenciar uma estrutura financeira condizente com o tamanho do projeto, que implica em valores bastante vultosos", acrescentou. Na avaliação da ministra, a quantidade de consórcios que vão disputar a usina é suficiente, pois trata-se de grupos formados por empresas bem estruturadas nas áreas de energia e construção, além de ter participação de empresas do setor público.

Tudo o que sabemos sobre:
Usinas do Madeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.