Reprodução
Reprodução

Vencedoras do Prêmio Broadcast Empresas saíram mais fortes da pandemia

B3, Weg e Vale estão entre as vencedoras do prêmio deste ano, que analisou o desempenho das companhias de capital aberto em 2020

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2021 | 10h35

Além da temperatura dos funcionários e clientes, as empresas de alto desempenho passaram 2020 monitorando oportunidades. As companhias com boa saúde saíram mais fortes do primeiro ano da pandemia, com fôlego para abrir novas frentes de negócio, acelerar a transformação digital e ampliar a base de clientes.

Foi o caso da B3, que passou por uma prova de choque em 2020. Na verdade, foram seis choques na Bolsa brasileira em apenas um mês, ou seja, a quantidade de vezes em que o mecanismo de circuit breaker (parada) foi acionado em março do ano passado, quando a confirmação de pandemia causou nervosismo nos mercados mundo afora. "Fomos postos à prova, mas o mais legal é que tudo funcionou", diz o presidente da B3, Gilson Finkelsztain

A B3 foi a grande vencedora do Prêmio Broadcast Empresas, realizado pela Agência Estado em parceria com a Economática. Esta é a 21.ª edição do ranking, que avalia todas as empresas de capital aberto sob um conjunto de sete indicadores técnicos (leia abaixo sobre a metodologia)

As dez mais bem posicionadas foram premiadas na cerimônia nesta terça-feira, 13, em evento com a presença do economista Ilan Goldfajn, ex-presidente do Banco Central e atual presidente do conselho do Credit Suisse no Brasil. O debate sobre a retomada pós-pandemia teve participação da Weg e da Vale, segunda e terceira colocadas no prêmio deste ano (veja lista completa no fim desta reportagem).

Para o presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, o prêmio é resultado de uma jornada consistente de transformação após a tragédia de Brumadinho (MG). O foco da companhia em "segurança, pessoas e reparação" começa a produzir frutos, segundo ele. "Temos ainda um longo caminho: não é uma corrida de 100 metros, é uma maratona."

No caso da Weg, a perspectiva de retomada de investimentos em infraestrutura é o que deve puxar o crescimento daqui em diante, segundo o diretor superintendente administrativo, financeiro e de relações com investidores, André Luís Rodrigues

No ranking, a Weg também levou o prêmio da categoria especial Sustentabilidade por ser a companhia mais bem posicionada que figura no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), da B3. 

Segundo o executivo da companhia, sustentabilidade é um valor da companhia em todas as suas ações, seja "da porta para dentro ou para fora", com iniciativas que reduzem o impacto ambiental em suas ações ou nos produtos que fornece aos clientes, os quais têm cada vez menos impacto e utilizam menos recursos. 

Outra categoria especial da premiação é Small Cap, espelhando o índice SMLL, no qual a vencedora foi a Bradespar, quinta colocada no levantamento geral.

"Ao longo desses 21 anos, tem sido uma enorme satisfação para a Agência Estado homenagear empresas que trabalham para promover o desenvolvimento do mercado de capitais e do País. Em 2020,  um ano tão singular e de desafios inéditos, essa premiação é ainda mais importante ao reconhecer companhias que conseguiram, apesar da adversidade, fazer a diferença", diz Miresh Kirtikumar, diretor geral da Agência Estado/Broadcast.

A pandemia afetou diferentemente as empresas listadas em bolsa. As condições extremas de 2020 criaram um cenário em que parte das empresas foi muito bem e a outra parte foi muito mal, ou seja, em relação ao padrão dos anos anteriores, 2020 foi um ano em que aumentou a distância de performance entre o grupo das ganhadoras e o grupo das perdedoras , avalia o presidente da Economática Fernando Exel. 

"A saúde das companhias abertas no Brasil pelo aspecto da variação da receita líquida acima da inflação, exceto as do setor financeiro, mostra que o País foi o que menos sofreu em 2020 dentre países da América Latina e EUA", afirma Exel, referindo-se ao conjunto que está no radar da consultoria. No caso específico do Brasil, segundo ele, a pandemia "reforçou o abismo" entre as empresas que vão bem e as que vão pior.

Cenário para 2022

Em painel durante a cerimônia do Prêmio Broadcast Empresas, o ex-presidente do Banco Central e atual presidente do conselho do Credit Suisse, Ilan Goldfajn, afirmou que o próximo ano pode ser bastante desafiador, por causa da volatilidade trazida pelas eleições presidenciais.

Ele lembrou que o País passa por um período de alta, e deve ficar em 7% em 2021, bem acima do teto da meta de 5,25%. "O ano de 2022 pode ser bastante desafiador, não é fácil derrubar a inflação no Brasil." Ao fim do ano que vem, ele espera inflação de 4,5% e um juro básico (Selic) acima de 7%.

Metodologia do prêmio

A presente edição do Prêmio Broadcast Empresas teve participação de 206 empresas com ações negociadas na B3 e selecionadas por terem patrimônio líquido acima de R$ 10 milhões, divulgado seus balanços no prazo previsto em lei e estarem em dia com seus credores no período analisado. 

A metodologia avalia sete indicadores que fazem parte do dia a dia dos investidores e profissionais do mercado financeiro. Para chegar ao resultado final é feita uma média simples de todos os pontos obtidos nos sete critérios: a variação da rentabilidade patrimonial; pagamento de dividendos em relação ao patrimônio; índice preço/lucro (PL); preço/valor patrimonial da ação (P/VPA); oscilação da ação; volatilidade da ação; e liquidez. Cada empresa é representada pela sua ação mais líquida (ON ou PN).

Ranking das premiadas

  1. B3
  2. Weg
  3. Vale
  4. Totvs
  5. Bradespar
  6. Comgás
  7. RaiaDrogasil
  8. Magaz Luiza
  9. Localiza
  10. Odontoprev

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.