Vencedores do prêmio criação publicitária da ANJ vão a Cannes

ANJ vive "no ano de comemoração de seus 200 anos de existência um momento único de boas perspectivas"

Marili Ribeiro, de O Estado de S. Paulo,

12 de março de 2008 | 13h02

Após três anos de expansão "vigorosa", tanto na circulação de jornais como no aumento de participação na receita publicitária do segmento, a Associação Nacional de Jornais (ANJ), como destacou o presidente da entidade, Nelson Sirotsky, vive "no ano de comemoração de seus 200 anos de existência um momento único de boas perspectivas". E uma das formas de os dirigentes da associação valorizar o cenário favorável foi incrementar o Prêmio ANJ de Criação Publicitária. Os vencedores da atual 7ª edição, que serão anunciados em novembro, viajarão para o Festival Internacional de Publicidade de Cannes, em 2009, com tudo pago.  O anúncio, feito agora pela manhã, reuniu além de Sirotsky, que é presidente do grupo de comunicação gaúcho RBS, proprietários e representantes de jornais de todo o País e mais profissionais de publicidade, entre eles Washington Olivetto, Luís Lara, Bia Aidar, Antonio Fadiga, Ricardo Chester, José Borghi, Hugo Rodrigues entre outros. A circulação de jornais cresceu 11,8% em 2007, passando de 7,23 milhões de exemplares por dia, em 2006, para mais de 8 milhões. Essa expansão foi acompanhada de aumento de participação no bolo publicitário de 15,2%, movimentando no ano passado R$ 3,1 bilhões. "Os jornais passaram de uma atitude de intimidação, diante da revolução digital, para abraçar às novas mídias nos seus portais na internet que hoje já abrigam áudio e imagem e são, como comprovam as pesquisas, os sites de notícias mais procurados na internet, deixando os de televisão e revistas para trás", comemora Walter de Mattos Jr, presidente do jornal Lance! e vice-presidente da ANJ.  Audiência online Aliás a abrangência do canal de comunicação jornal é medida pelos empresários do setor não mais apenas pelo sucesso de suas versões impressas, mas também pelo resultado de sua audiências online. "Não podemos descuidar à credibilidade que marcas como Estado, Globo, Folha e Zero Hora, entre outros jornais, transferem para a internet. Trata-se de um patrimônio que merece cuidado e, por isso mesmo, estamos investindo em pesquisas que quantifiquem isso", diz Antonio Athayde, diretor da ANJ  Para publicitários como Hugo Rodrigues, diretor de criação da Salles Chemistri Publicidade e vencedor da última edição do Prêmio ANJ de Criação Publicitária, a relevância no meio jornal é indiscutível pois, como conta, o anunciante, no caso a montadora GM, fez questão de comparecer no ano passado à entrega da premiação. Em média, desde que foi criado em 2000, tem sido inscritas 1.100 peças publicitárias por edição para concorrer nas categorias regional e nacional. Disputam a 7ª edição os anúncios veiculados entre março a 30 de setembro deste ano. A premiação acontecerá em novembro.  Ao todo são sete categorias: uma página, página dupla, meia página, um quarto de página, classificados, outros formatos e a novidade deste ano um prêmio também para os anúncios online. As premiações regionais serão divididas em Norte e Nordeste; Centro-Oeste, Espírito Santo e Minas Gerais; Rio de Janeiro; Sul e São Paulo. Os vencedores regionais ganharão notebooks. Serão premiados os dois profissionais da Criação e os dois da Mídia responsáveis pelo anúncio vencedor. Os vencedores nacionais vão à Cannes com tudo pago.

Tudo o que sabemos sobre:
Prêmio publicitárioCannes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.