Vencimentos da dívida interna somam R$ 412 bi em 2007

O Plano Anual de Financiamento (PAF) do Tesouro para 2007, divulgado nesta quarta-feira, informa que os vencimentos da dívida pública mobiliária federal interna em 2007 somarão R$ 412,822 bilhões. Outros R$ 23,228 bilhões representam o volume de vencimentos da dívida pública federal externa no ano.Em relação aos vencimentos da dívida interna, o documento informa que 53,1% são relativos a papéis prefixados. Os demais vencimentos se dividem em 39,9% de papéis indexados a juros (Selic, TR, TJLP), 6,6% de títulos atrelados a índices de preços e 0,3% à variação cambial.A estratégia do Tesouro é aumentar a emissão de papéis prefixados, elevando a sua participação no total e alongando os prazos de emissão desses títulos, ou seja, melhorando o perfil da dívida. O PAF estabeleceu que a participação dos papéis prefixados no estoque da dívida pública mobiliária federal interna ficará no mínimo em 37% e no máximo em 43% do total. Em 2006, os prefixados ficaram em 36,1% do total. O PAF 2007 definiu como meta para os títulos atrelados à taxa Selic representarem no mínimo 29% e no máximo 36%. A parcela atrelada à Selic fechou 2006 em 37,8%.Para os papéis atrelados a índices de preços, o PAF 2007 estabelece uma participação de 23% a 27% do total. Em 2006, essa participação foi de 22,5%. Para a dívida indexada à taxa de câmbio, o plano definiu como meta uma participação de 1% a 2% do estoque total. Em 2006, a dívida atrelada a câmbio representou 1,3% sem considerar as operações de swap cambial reverso. Considerando essas operações, o governo ficou credor em câmbio em 2006. Para a parcela indexada à TR e outros indexadores, o Tesouro prevê uma participação de 2% a 4% do estoque total da dívida.O Tesouro também diz que dará ênfase aos títulos indexados ao IPCA (NTN-B) e não pretende emitir NTN-C, que são referenciados ao IGP-M. O Tesouro também quer promover resgate líquido de títulos atrelados à Selic (LFT), mantendo o prazo de emissão desse tipo de papel na casa dos 44 meses. PrazoO PAF 2007 também prevê que a parcela da dívida interna a vencer em 12 meses terá uma participação de 29% a 33% no total da dívida pública mobiliária federal interna. Em dezembro de 2006, a dívida que vencia em até um ano representava 35,7% do total. O Tesouro também estabeleceu como meta que o prazo médio da dívida interna fique em no mínimo 32 meses e no máximo em 36 meses. Em dezembro de 2006, o prazo médio da dívida foi de 31,1 meses. Para o estoque total da dívida em 2007, que fechou 2006 em R$ 1,093 trilhão, o Tesouro prevê no mínimo R$ 1,23 trilhão e no máximo R$ 1,3 trilhão. Isso significa que a dívida terá um crescimento esperado de no mínimo R$ 137 milhões neste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.