Venda da indústria paulista sinaliza retomada do consumo

As vendas da indústria paulista no mês de abril mostram o início da retomada do consumo no mercado interno. O movimento, porém, ainda é desigual e setorial, segundo Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. A entidade registrou aumento de 31% nas vendas nominais de abril contra o mesmo mês do ano passado e de 25% no primeiro quadrimestre de 2004 em relação ao mesmo período de 2003. O levantamento mostrou também que houve queda de 6,1% nas vendas reais comparação com março, recuo justificado pelo menor número (3) de dias úteis em abril sobre o mês anterior.O diretor da Fiesp, Claudio Vaz, ressaltou, no entanto, que a base de comparação é baixa, já que no primeiro trimestre do ano passado a atividade econômica estava fraca e piorou no segundo trimestre. "Para saber se o movimento de retomada é sustentado, precisamos de mais uns 90 dias de crescimento das vendas acompanhado por uma distribuição mais igual entre os setores", disse Dos onze setores pesquisados, o único a registrar queda nas vendas quadrimestrais foi o de minerais não metálicos (cimento, cerâmicas, mármores, granitos), ainda assim de apenas 1,6% na comparação com o mesmo período de 2003. A recuperação é mais forte nos setores ligados à oferta de crédito, como linha branca (geladeira, freezer), cujas vendas aumentaram 18% no primeiro trimestre, e linha marrom (som, TVs), com aumento de 68% também nos três meses iniciais de 2004.De acordo com a Fiesp, o salário médio real cresceu 0,8% em abril sobre março e 8,2% sobre abril de 2003. As horas médias trabalhadas recuaram 3,9% em abril contra março, mas cresceram 4,9% sobre o mesmo mês do ano passado. Segundo, Claudio Vaz, o aumento na renda do trabalhador é resultado dos reajustes parcelados dos salários acertados no fim do ano passado. Em relação ao emprego, o empresário acredita que o segundo semestre será melhor porque o período é sempre mais ativo e também por causa das exportações. "O que precisamos, de verdade , é ver a consolidação do mercado interno", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.