Venda da TCO é questão de tempo, dizem analistas

A venda da Tele Centro Oeste Celular (TCO) é só uma questão de tempo, acreditam analistas do setor. Embora essa percepção já existisse há algum tempo, reforçada por uma série de boatos em torno de possíveis aquisições, ela cristalizou-se hoje com a certeza de que a operadora não escondia nenhuma carta, ou parceiro, na manga para disputa da banda C. Controlada pela Splice, de capital nacional, e sem fôlego financeiro para sobreviver intacta ao processo de fusões e aquisições desencadeado na telefonia móvel, a TCO tornou-se vulnerável. "É a bola da vez", diz um analista. As apostas agora, giram em torno dos possíveis compradores. Portugal Telecom chegou a declarar abertamente seu interesse pelo negócio, embora nos últimos dias tenha evitado comentários a respeito. A Telecom Italia também já namorou a TCO e os boatos em torno da compra pela BellSouth se acentuaram no final do ano passado, quando o grupo americano adquiriu 17,5% do capital social da TCO. A Splice, por sua vez, detém 6% das ações ordinárias da BCP, operadora paulista controlada pela BellSouth.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.