finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Venda de aço deve crescer pouco mais de 4% em 2014

Baseado na demanda gerada pelas concessões de infraestrutura e numa suave recuperação da economia internacional, o setor siderúrgico projeta uma alta de 4,4% nas vendas internas de aço em 2014, para 24 milhões de toneladas. Mas a siderurgia brasileira segue pressionada pela oferta mundial excessiva de aço e a dificuldade em competir com os preços chineses. O Instituto Aço Brasil (IABr) calcula que em 2022 itens importados responderão por 58% do consumo final de aço no País, se nada for feito para conter o ritmo das compras externas e a queda livre das exportações do setor.

MARIANA DURÃO, Agencia Estado

27 de novembro de 2013 | 20h05

A alta do dólar frente ao real não foi suficiente para frear as importações de aço, em especial da China. Ao revisar suas estimativas para 2013, o instituto passou a prever um recuo de apenas 0,5% das compras externas de produtos siderúrgicos, ante previsão de 14,4% em agosto. Já as exportações vão desabar 14,8% no ano. A produção de aço bruto ficará estagnada em 34,5 milhões de toneladas, mesmo número de 2012.

O setor se ressente da falta de medidas de proteção como o estabelecimento de sobretaxa na importação. O ministério da Fazenda decidiu não renovar este ano a lista de exceção à Tarifa Externa Comum (TEC), que inclui 10 produtos siderúrgicos. Há ainda a falta de fiscalização de artifícios usados por importadores para fugir da taxação.

"A posição do governo brasileiro de que a apreciação do dólar seria suficiente para travar as importações não se confirmou", disse nesta quarta-feira, 27, o presidente executivo do IABr, Marco Polo de Mello Lopes, ao divulgar os números do setor. Para o executivo, a ameaça à cadeia local vem pela importação direta mas, principalmente, indireta de aço. "Isso significa perda de clientes. Muita gente que produzia máquinas e equipamentos hoje prefere importar para vender aqui", disse Lopes.

Em 2013, as vendas internas de aço devem crescer 6,1% em 2013, para 22,9 milhões de toneladas. O consumo aparente - vendas mais importações - foi revisto para 26,6 milhões de toneladas, aumento de 5,7% sobre o ano anterior. Na prática, o consumo de produtos siderúrgicos cresce no País, mas apoiado na importação.

Tudo o que sabemos sobre:
açoprojeções

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.