Venda de aços planos pode subir 10% em 2019

Em novembro foram vendidas 262 mil toneladas, o que representa um aumento de 7,4% em relação a outubro

Editorial Econômico, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2018 | 05h00

Impulsionadas pela demanda da cadeia da indústria automotiva e pela indústria de máquinas e equipamentos, as vendas de aços planos pelas distribuidoras foram de 262 mil toneladas em novembro (média diária de 13,1 mil t), o que representa um aumento de 7,4% em relação a outubro e 3% ante o mesmo mês de 2017, segundo os últimos números divulgados pelo Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda). Para dezembro prevê-se queda de 12% nas vendas em comparação com novembro, atribuída a fatores sazonais que contraem a demanda.

São resultados considerados bons, tendo superado as projeções do Inda para este ano tanto no que se refere às vendas quanto às compras. Analistas do Bradesco BBI projetam crescimento de 10% no consumo interno de aços planos em 2019, com atividade mais intensa de grandes usuários industriais de aços planos. Não é mencionada a possibilidade de maior uso de aço em obras públicas, muitas delas atualmente paralisadas, ou em projetos habitacionais.

As compras feitas pelas empresas distribuidoras em siderúrgicas nacionais e internacionais alcançaram 270 mil toneladas (13,5 mil t por dia) em novembro, 4,2% mais que em outubro, mas que representam recuo de 2% em confronto com novembro de 2017. As importações de aços planos registraram crescimento de 84% em novembro diante de outubro, resultado que se explica pela baixa base de comparação, a menor desde o mesmo mês de 2016.

Também no caso das compras pelos associados do Inda, a projeção é de alta de 7,5% em 2019 em confronto com este ano. Os especialistas observam que as variações mensais nas compras não são necessariamente um fator negativo, uma vez que o que realmente deve ser levado em conta não é a redução ou elevação em um mês ou outro, mas o montante dos estoques mantidos pelas distribuidoras, que são mais ou menos elevados em razão da expectativa de demanda.

Sob esse ponto de vista, os associados do Inda estão trabalhando com boas perspectivas de faturamento em futuro próximo. Os estoques, que estavam em 923 mil toneladas em outubro, foram estimados em 938 mil toneladas no início de dezembro, total equivalente a 4,1 meses de vendas, ligeiramente acima da média histórica, que é de quatro meses.

Mais conteúdo sobre:
importaçãoindústriaaço

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.