Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Venda de aeroportos terá custo extra de R$ 3 bi, diz presidente da Infraero

Em ofício, executivo diz que privatização de terminais que dão lucro deve manter empresa no vermelho por 15 anos

O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2017 | 14h35

A privatização de terminais aeroportuários lucrativos da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) vai gerar gastos extras de mais de R$ 3 bilhões para manutenção do custeio da estatal e manterá a empresa no vermelho por mais de 15 anos, segundo avaliação do presidente da empresa. 

O déficit anual previsto pela Infraero é de cerca de R$ 400 milhões anuais. A informação consta em um ofício encaminhado pelo presidente da empresa, Antônio Claret de Oliveira, ao ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella Lessa.

Na quarta-feira (23), o governo anunciou a intenção fazer 57 privatizações. No pacote, além de portos e empresas estatais, estão 18 aeroportos, entre eles os de Congonhas e do Recife, que são lucrativos.

No primeiro semestre, o terminal de Congonhas teve R$ 137 milhões de lucro e circularam pelo aeroporto 10,4 milhões de passageiros, segundo a Infraero.

"Caso o governo decida pela concessão dos três blocos de aeroportos, conforme vem sendo veiculado pela imprensa, esta Empresa se tornará dependente de recursos para a manutenção do seu custeio", diz a nota.

Pelo documento, o presidente da estatal avalia que a venda dos aeroportos que dão lucro irá impactar na manutenção dos demais termais. "A perda de aeroportos superavitários e imprescindíveis para a manutenção do subsídio cruzado da rede de aeroportos administrados pela Infraero."

O documento diz que, entre os 17 aeroportos superavitários da empresa, somente os terminais de Curitiba, Recife, Congonhas e Santos Dumont contribuem com mais de 78% dos resultados e "qualquer modelagem contemplando esses ativos põe em risco a situação de dependência financeira da Infraero".

Procurado, o Ministério do Transporte ainda não havia se pronunciado até o início da tarde desta quinta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.