Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Venda de alimentos é a maior em 5 anos

A indústria de alimentos comemora a maior taxa de crescimento no primeiro semestre dos últimos cinco anos. Nem mesmo a elevação dos preços da comida a partir de maio, que já apareceu no índice oficial de inflação, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deve brecar a alta das vendas, dizem os fabricantes. Eles prevêem que o setor encerre 2007 com receita recorde, superior a R$ 200 bilhões. Ganhos de renda, aumento do emprego, inflação controlada e crédito farto sustentam o desempenho.No primeiro semestre deste ano, as vendas totais da indústria de alimentos e bebidas atingiram R$ 103,8 bilhões, um acréscimo de 8,2% em relação ao mesmo período de 2006, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia). Descontada a inflação do período, a alta foi de 4,6%, acima da projeção de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB). O mercado doméstico respondeu por 75% das vendas do primeiro semestre, quando a produção física aumentou 5,8%, a maior taxa desde 2002."O brasileiro melhorou a sua alimentação", afirma o presidente da Abia, Edmundo Klotz. Ele destaca que nas Regiões Norte e Nordeste o consumo de alimentos está aquecido, provavelmente puxado pela renda obtida por meio de programas sociais. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

MÁRCIA DE CHIARA E VERA DANTAS, Agencia Estado

09 de agosto de 2007 | 08h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.