Venda de artigos de informática cresce acima da média

As vendas de artigos de informática no comércio varejista dispararam nos últimos quatro anos e não há sinais de arrefecimento. Segundo dados do IBGE, o grupo de equipamentos de escritório, informática e comunicação (no qual se destacam os artigos de informática) registrou crescimento acumulado de 201% entre janeiro de 2004 e novembro do ano passado, mais de cinco vezes acima da média de expansão das vendas na média do varejo no período (38%).O diretor de marketing da Positivo Informática, César Aymoré, disse que a presença de computadores no mercado brasileiro ainda é pequena e o potencial de expansão, gigantesco. Ele exemplifica que enquanto 20% dos domicílios do País têm computador, nos Estados Unidos a fatia chega a 60% e nos países escandinavos, a 80%. "Há uma grande oportunidade ainda de atender os municípios brasileiros", afirmou.O maior potencial de demanda, segundo ele, está nas classes C e D e nas regiões Norte e Nordeste. Mas há também um mercado adicional, e não menos poderoso, de reposição de computadores - o tempo médio que o consumidor permanece com uma máquina é de quatro a cinco anos - e aquisição de notebooks nas classes A e B. Somente na Positivo, as vendas de notebook cresceram quase 500% de janeiro a setembro do ano passado ante igual período de 2006, passando de 22 mil (nove meses de 2006) para 113 mil (mesmo período de 2007).Em comunicado distribuído hoje pela Associação Brasileira da Indústria Eletro e Eletrônica (Abinee), o diretor da área de informática da instituição, Hugo Valério, afirma que as vendas de PCs, em 2007, devem alcançar a marca de 10 milhões de máquinas, "meta que poderá ser superada com as compras de final de ano nos mercados de consumo e corporativo".Ele também cita a MP do Bem, além de ações de fiscalização do governo, como "medidas que estão colaborando sobremaneira para a inclusão digital e para o crescimento do mercado legal de PCs, cuja participação subiu de 27% no total das vendas, em 2004, para 63% neste ano".Segundo o IBGE, a indústria produtora de máquinas para escritório e equipamentos de informática, grupo que inclui computadores, monitores e impressoras, registrou um aumento acumulado de produção de 106% em três anos, de janeiro de 2005 a novembro do ano passado. De janeiro a novembro do ano passado esse segmento acumulou alta de 15,9%, bem acima da média da indústria (6,0%) no período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.