Venda de carros na Europa cai a menor nível em 15 anos

Temor dos consumidores com a crise reduz a demanda e registro de carros novos tem queda de 7,8% em 2008

Ana Conceição, da Agência Estado,

15 de janeiro de 2009 | 08h51

O registro de carros novos caiu 7,8% na Europa em 2008, para 14,7 milhões de veículos, o menor nível em 15 anos, de acordo com a Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis (Acea, na sigla em inglês). O temor dos consumidores com a crise econômico-financeira mundial reduziu a demanda por automóveis. Veja também:   De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  O mercado europeu, uma das principais fontes de receita para muitas das montadoras globais, foi fortemente atingido no ano passado pela escassez de crédito. Ao mesmo tempo, temerosos com a crise, os consumidores adiaram compras de bens mais caros, como veículos. O registro de carros novos, que reflete as vendas, desabou 18% em dezembro para 924.646 unidades, na comparação com o mesmo período em 2007. A Acea observou em seu comunicado que o mês de dezembro de 2008 teve dois dias úteis a mais, o que impediu um recuo porcentual ainda maior. A General Motors foi a montadora que registrou o pior desempenho entre as grandes que atuam no continente europeu com uma queda de 14%, para 1,41 milhão de novos veículos registrados em 2008. Os registros de carros da Toyota recuaram 12%, para 814.581 unidades. A Ford teve resultado um pouco melhor. Os registros de veículos da montadora recuaram 5,2% para 1,46 milhão de unidades. Os registros da maior montadora europeia pelo critério de vendas, a Volkswagen, totalizaram 3,03 milhões de veículos no ano passado, queda de 4,4%. Registros da francesa Renault caíram 6,9%, para 1,29 milhão de veículos e os da Peugeot-Citroën recuaram 9,1%, para 1,87 milhão de unidades. Registros de carros de passageiros da italiana Fiat recuaram 5,5%, para 1,18 milhão de unidades e das alemãs BMW e Daimler diminuíram 3,5% e 5,9%, para 819.461 e 788.955 veículos, respectivamente.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraSetor Automotivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.