Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Venda de carros no Japão deve cair à mínima em 32 anos

As vendas de veículos no Japão devem cair ao menor nível em 32 anos no próximo ano fiscal, que se inicia em abril, de acordo com a Associação dos Fabricantes de Veículos do país. A entidade avaliou hoje que a desaceleração da economia deve continuar a reduzir a disposição dos consumidores em investir na compra de carros novos.

ANA CONCEIÇÃO, Agencia Estado

24 de março de 2009 | 09h28

Segundo a associação, as vendas devem cair 8%, para 4,298 milhões de veículos no próximo ano fiscal. Se confirmado, será o menor número desde o ano fiscal encerrado em março de 1978 e o quarto ano consecutivo de declínio nas vendas do setor no país. Este cenário é pior do que o previsto pela entidade em dezembro do ano passado, quando previu queda de 4,9% para 4,86 milhões de veículos no próximo ano fiscal.

As vendas de caminhões devem ser as mais afetadas, com queda estimada de 13,8%, enquanto as vendas de carros de passageiros deverá recuar 6,8%. As vendas de ônibus deverão cair 8,1% no período.

Para o atual ano fiscal, que se encerra no fim deste mês, a associação estima vendas de 4,67 milhões de veículos, equivalente a uma queda de 12,2%.

Montadoras

Por conta do cenário sombrio para o setor automotivo, a entidade informou que irá diminuir o período do salão de automóveis de Tóquio no segundo semestre deste ano, de 17 para 13 dias, uma vez montadoras como General Motors (GM), Ford, Chrysler, Mercedes, BMW, Audi, e mais quatro fabricantes de caminhões do Japão informaram que não irão participar do evento.

Enquanto isso, várias montadoras do país informaram hoje forte queda nas vendas de veículos em fevereiro. A Toyota informou queda de 32,5% nas vendas em fevereiro no mercado japonês, para 99.816 veículos. A Nissan informou queda de 27,3% no período, ou 55.581 veículos. As vendas da Honda recuaram 20,2%, para 45.987 veículos. Mazda vendeu 35,7% a menos, Mitsubishi -33,6% e Suzuki -7,8% em fevereiro.

Acompanhando a queda nas vendas, a produção dessas montadoras também recuou. A Toyota cortou a produção doméstica em 64% em fevereiro, ante o mesmo período do ano passado. No primeiro trimestre, a redução deverá atingir 54%. A Honda, segunda maior montadora do Japão, reduziu a produção em 48,4% em fevereiro, enquanto a Nissan, terceira do ranking, cortou a produção em 68,8% no período. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
veículosJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.