Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Venda de casas nos EUA tem nível mais baixo em 5 anos

Preço médio de imóveis atinge US$ 228,9 mil em julho, ante US$ 229,2 mil no mês anterior

Agências internacionais, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2028 | 00h00

As vendas de casas usadas nos Estados Unidos caíram 0,2% em julho, nível mais baixo desde novembro de 2002. No mesmo mês, os estoques de imóveis à venda subiram 2,2%. Os números foram divulgados ontem pela Associação Nacional de Agentes de Bens Imobiliários (NAR, na sigla em inglês).O preço médio dos imóveis foi de US$ 228,9 mil em julho, abaixo dos US$ 230,2 mil de julho de 2006. Em junho deste ano, o valor médio dos imóveis era de US$ 229,2 mil. Lawrence Yun, economista da NAR, disse que o mercado imobiliário mostra alguma sustentação, apesar dos problemas com as hipotecas de segunda linha (segmento conhecido como subprime).''''As vendas provavelmente estariam aumentando se não houvesse dúvidas sobre a liquidez das hipotecas, como houve nos últimos dois meses'''', disse.As vendas de casas e apartamentos recuaram para um ritmo de 5,75 milhões ao ano, após um ritmo de 5,76 milhões em junho. Estão 9% abaixo do ritmo de 6,32 milhões de unidades de julho do ano passado.Segundo Yun, em julho, alguns compradores com contratos tiveram sérias dificuldades para conseguir empréstimos. ''''Outros compradores potenciais simplesmente estão esperando que o mercado das hipotecas se estabilize.''''Os estoques de imóveis usados disponíveis para a venda subiram 5,1% em julho, para 4,59 milhões de unidades, representando oferta capaz de abastecer 9,6 meses de demanda no atual ritmo de vendas. O estoque de imóveis para uma única família era capaz de atender à demanda por 9,2 meses, maior período desde outubro de 1991.SUBPRIME NA CHINAO China Construction Bank, um dos quatro maiores bancos em termos de ativos do país, disse ontem que a sua exposição a bônus relacionados às hipotecas subprime americanas estava em US$ 1,062 bilhão no primeiro semestre.O presidente da instituição, Guo Shuqing, informou, durante a apresentação do resultado do semestre, que os bônus relacionados ao subprime que estão em suas carteiras têm classificação de risco AA ou AAA, indicando risco mínimo de calote.Segundo ele, o banco mantém provisão de US$ 18 milhões para tais ativos. O lucro do banco no primeiro semestre subiu 47% em comparação ao mesmo período do ano passado, para 34,22 bilhões de yuans.Na semana passada, o Bank of China (BOC) assustou os investidores ao informar deter cerca de US$ 10 bilhões em títulos lastreados em hipotecas de segunda linha dos Estados Unidos. O valor representa um pouco mais de 1% dos ativos totais e cerca de um quinto do patrimônio dos acionistas.O BCIC também informou que a sua exposição a ativos lastreados ao setor hipotecário americano era de US$ 1,23 bilhão no fim de junho, uma pequena fração dos ativos totais de US$ 1,09 trilhão da instituição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.