Venda de combustíveis caiu 8% no 3º trimestre

Diretor financeiro da Petrobrás atribui queda das vendas domésticas ao desaquecimento da economia e à entrada de concorrentes

ANDRÉ MAGNABOSCO, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2015 | 02h01

O volume total de combustíveis vendidos pela Petrobrás no mercado interno atingiu 2,834 milhões de barris diários no terceiro trimestre, o que corresponde a uma queda de 8% em relação ao mesmo período do ano passado. Na comparação com o segundo trimestre deste ano, houve elevação de 0,6%, influenciada por fatores sazonais específicos do setor de combustíveis e maior venda de diesel.

Os números consideram a venda de diesel, gasolina, óleo combustível, nafta, GLP, querosene de aviação (QAV), álcool, gás natural, nitrogenados renováveis e outros.

A comercialização de diesel, principal derivado vendido pela estatal, movimentou 953 mil barris diários, queda de 9,2% ante o terceiro trimestre do ano passado. Na comparação com o segundo trimestre, as vendas cresceram 3,3%.

A venda de gasolina somou 540 mil barris diários, queda de 12,3% sobre o terceiro trimestre do ano passado. Na comparação com o segundo trimestre, o número fica próximo da estabilidade.

Quando consideradas apenas a venda de derivados, sem o gás natural e a categoria álcool, nitrogenados renováveis e outros, foram comercializados 2,282 milhões de barris por dia, queda de 9,9% sobre o terceiro trimestre do ano passado. Na comparação com o segundo trimestre deste ano houve alta de 1,4%.

Em entrevista no Rio, o diretor financeiro da Petrobrás, Ivan Monteiro, atribuiu a retração das vendas domésticas ao desaquecimento da economia e à entrada de concorrentes.

No mercado externo, a Petrobrás vendeu 1,05 milhão de barris diários, queda de 0,75% sobre o terceiro trimestre do ano passado e de 3% sobre o segundo trimestre deste ano.

Com isso, as vendas totais de combustíveis da Petrobrás, somados os negócios no mercado interno e externo, atingiram 3,889 milhões de barris diários, queda de 6,1% ante o terceiro trimestre do ano passado e de 0,4% sobre o segundo trimestre deste ano.

Tudo o que sabemos sobre:
combustiveisPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.